Aqui você encontra informações sobre primeiros socorros, atendimento pré hospitalar, entre outros de maneira simples e fácil de entender, visite as páginas, se precisar de alguma ajuda, informação, sugestão, parcerias, entre em contato através do e-mail t.enfermagemresgate@gmail.com.
Um abraço e fiquem com Deus
Thais

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Tipos de Fraturas


Fraturas podem se classificadas de acordo com sua exteriorização e com a lesão no osso afetado.

Fratura Fechada ou Interna
São as fraturas nas quais os ossos quebrados permanecem no interior do membro sem perfurar a pele. Poderá, entretanto romper um vaso sanguíneo ou cortar um nervo.

Fratura Aberta ou Exposta
São as fraturas em que os ossos quebrados saem do lugar, rompendo a pele e deixando exposta uma de suas partes, que pode ser produzida pelos próprios fragmentos ósseos ou por objetos penetrantes.
Este tipo de fratura pode causar infecções.

Fratura em Fissura
São aquelas em que as bordas ósseas ainda estão muito próximas, como se fosse uma rachadura ou fenda.

Fratura em Galho Verde
É a fratura incompleta que atravessa apenas uma parte do osso. São fraturas geralmente com pequeno desvio e que não exigem redução; quando exigem, é feita com o alinhamento do eixo dos ossos. Sua ocorrência mais comum é em crianças e nos antebraços (punho).

Fratura Completa
É a fratura na qual o osso sofre descontinuidade total.

Fratura Cominutiva
É a fratura que ocorre com a quebra do osso em três ou mais fragmentos.

Fratura Impactada
É quando as partes quebradas do osso permanecem comprimidas entre si, interpenetrando-se.

Fratura Espiral
É quando o traço de fratura encontra-se ao redor e através do osso. Estas fraturas são decorrentes de lesões que ocorrem com uma torção.

Fratura Oblíqua
É quando o traço de fratura lesa o osso diagonalmente.

Fratura Transversa
É quando o traço de fratura atravessa o osso numa linha mais ou menos reta.

fonte:
Manual de Primeiros Socorros. Rio de Janeiro.Fundação Oswaldo Cruz, 2003.  Ministério da Saúde
170p.1. Primeiros Socorros.2. Atendimento emergencial.

sábado, 7 de abril de 2012

Melena e Hematêmese


Melena (perda de sangue pelo reto)

É a perda de sangue escuro, brilhante, fétido e com aspecto de borra de café ou petróleo, pelo orifício anal, geralmente provocada por hemorragia no aparelho digestivo alto (melena) ou no aparelho digestivo baixo (enterorragia - sangue vivo).

Hematêmese (vômito com sangue)

Este tipo de sangramento tem origem de alguma patologia (doença) gástrica ou devido a rompimento de varizes esofagogástricas, cirrose hepática, febre tifóide,
perfuração intestinal, gastrite hemorrágica, retocolite ulcerativa inespecífica, tumores malignos do intestino e reto, hemorróidas e outras.

Locais e Causas do Sangramento Gastrointestinal

Esôfago
• Laceração tissular
• Sangramento de veias varicosas
• Câncer


Estômago
• Úlcera cancerosa ou não cancerosa
• Irritação (gastrite), como a causada pela aspirina ou pelo Helicobacter pylori


Intestino delgado
• Úlcera duodenal não cancerosa
• Tumor canceroso ou não canceroso


Intestino grosso
• Câncer
• Pólipo não canceroso
• Doença inflamatória intestinal (doença de Crohn ou colite ulcerativa)
• Doença diverticular
• Vaso sangüíneo anormal na parede intestinal (angiodisplasia)


Reto
• Câncer
• Tumor não canceroso


Ânus
• Hemorróidas
• Laceração anal (fissura anal)


Primeiros Socorros:

· Tranqüilizar a pessoa e obter sua colaboração.
· Deitar o acidentado de costas.
· Aplicar bolsa de gelo sobre o abdômen, na região gástrica e intestinal.
· Aplicar compressas geladas na região anal (sangramento por hemorróidas).
· Encaminhar o acidentado para atendimento especializado com urgência.
· Suspender a ingestão de líquidos
· Observar rigorosamente a vítima para evitar parada cardíaca e respiratória e
encaminhar para avaliação médica.

Lembre-se sempre Telefones de Emergência:

SAMU - 192
CORPO DE BOMBEIROS - 192
POLICIA MILITAR - 190

fonte:
http://www.infoescola.com/medicina/melena/
http://www.anvisa.gov.br/reblas/manual_primeiros_socorros.pdf
http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?374
http://www.iqm.unicamp.br/csea/docs/QG362_2009/primeiros%20socorros%20Prof.%20Fabio%20Gozo.pdf
http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/15574

O que é Estado de Choque?


O estado de choque é um grupo de síndromes cardiovasculares agudas que não tem característica e uma definição única que compreenda todas as suas diversas causas e origens, ele se dá quando há mal funcionamento entre o coração, vasos sangüíneos (artérias ou veias) e o sangue, instalando-se um desequilíbrio no organismo.
Vários sinais e sintomas predispõem ao choque, que facilitam a observação e análise dos mecanismos. Há vários tipos de choque:

-Choque Hipovolêmico
-Choque Cardiogênico
-Choque Septicêmico
-Choque Anafilático
-Choque Neurogênico
-Choque Distributivo
-Choque Misto

Causas

As causas podem ser várias: traumatismo externo ou interno, perfuração súbita de órgãos, emoção, frio, queimaduras, intervenções cirúrgicas, etc. Todo acidentado pode entrar em estado de choque, progressiva ou insidiosamente, nos minutos ou horas que se seguem ao acidente.

Choque Hipovolêmico

É o choque que ocorre devido à redução do volume intravascular por causa da perda de sangue, de plasma ou de água perdida em diarréia e vômito.

Choque Cardiogênico

Ocorre na incapacidade de o coração bombear um volume de sangue suficiente para atender às necessidades metabólicas dos tecidos.

Choque Septicêmico

Pode ocorrer devido a uma infecção sistêmica.

Choque Anafilático

É uma reação de hipersensibilidade sistêmica, que ocorre quando um indivíduo é exposto a uma substância à qual é extremamente alérgico.

Choque Neurogênico

É o choque que decorre da redução do tônus vasomotor normal por distúrbio da função nervosa. Este choque pode ser causado, por exemplo, por transecção da medula espinhal ou pelo uso de medicamentos, como bloqueadores ganglionares ou depressores do sistema nervoso central.

Choque Distributivo

É aquele caracterizado por queda do tônus vasomotor, com expansão do leito vascular (vasodilatação) e hipovolemia relativa (retenção da volemia em vasos periféricos), como acontece nos traumatismos graves (Choque Traumático), depressão do SNC, dor intensa, bloqueadores ganglionares e anti-hipertensivos, retirada abrupta de líquido ascítico (dilatação vascular "ex-vácuo"), e infecções graves com bactérias gram positivas, por exemplo, (Choque Septicêmico).

Choque Misto

Quando dois ou mais fatores atuam em conjunto.


Causas Principais do Estado de Choque

· Hemorragias intensas (internas ou externas)
· Infarto
· Taquicardias
· Bradicardias
· Queimaduras graves
· Processos inflamatórios do coração
· Traumatismos do crânio e traumatismos graves de tórax e abdômen
· Envenenamentos
· Afogamento
· Choque elétrico
· Picadas de animais peçonhentos
· Exposição a extremos de calor e frio


Sintomas

A vítima de estado de choque ou na iminência de entrar em choque
apresenta geralmente os seguintes sintomas:
· Pele pálida, úmida, pegajosa e fria. Cianose (arroxeamento) de
extremidades, orelhas, lábios e pontas dos dedos.
· Suor intenso na testa e palmas das mãos.
· Fraqueza geral.
· Pulso rápido e fraco.
· Sensação de frio, pele fria e calafrios. (pele quente no caso de choque neurogênico)
· Respiração rápida, curta, irregular ou muito difícil.
· Expressão de ansiedade ou olhar indiferente e profundo com pupilas
dilatadas, agitação.
· Medo (ansiedade).
· Sede intensa.
· Visão nublada.
· Náuseas e vômitos.
· Respostas insatisfatórias a estímulos externos.
· Perda total ou parcial de consciência.
· Taquicardia
· Septicemia

Primeiros Socorros

DEITAR A VÍTIMA: A vítima deve ser deitada de costas. Afrouxar as roupas da vítima no pescoço, peito e cintura e, em seguida, verificar se há presença de prótese dentária, objetos ou alimento na boca e os retirar.
Os membros inferiores devem ficar elevados em relação ao corpo.
Isto pode ser feito colocando-os sobre uma almofada, cobertor dobrado ou qualquer outro objeto. Este procedimento deve ser feito apenas se não houver fraturas desses membros; ele serve para melhorar o retorno sanguíneo e levar o máximo de oxigênio ao cérebro.
No caso de a vítima estar inconsciente, ou se estiver consciente, mas sangrando pela boca ou nariz, deitá-la na posição lateral de segurança para evitar asfixia.

RESPIRAÇÃO: Verificar quase que simultaneamente se a vítima respira. Deve-se estar preparado para iniciar a respiração boca a boca, caso a vítima pare de respirar.

PULSO: Enquanto as providências já indicadas são executadas, observar o pulso da vítima.No choque o pulso da vítima apresenta-se rápido e fraco (taquisfigmia).

CONFORTO: Dependendo do estado geral e da existência ou não de fratura, a vítima deverá ser deitada da melhor maneira possível. Isso significa observar se ela não está sentindo frio e perdendo calor. Se for preciso, a vítima deve ser agasalhada com cobertor ou algo semelhante, como uma lona ou casacos.

TRANQUILIZAR A VÍTIMA: Se o socorro médico estiver demorando, tranqüilizar a vítima, mantendo-a calma sem demonstrar apreensão quanto ao seu estado. Permanecer em vigilância junto à vítima para dar-lhe segurança e para monitorar alterações em seu estado físico e de consciência.

Se a vítima não está consciente

Colocá-la em posição lateralizada
Transportá-la imediatamente para hospital
Não tentar dar de beber à vítima
Não dar bebidas alcoólicas


fonte:
http://www.anvisa.gov.br/reblas/manual_primeiros_socorros.pdf
http://www.inf.furb.br/sias/sos/textos/estado_de_choque.htm