Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Romanos 8:28

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Dicas de Emergência - Final de Ano



Neste video mais um da série Dicas de Emergência, será abordado dicas para prevenção de possíveis acidentes que podem ocorrer durante as férias, cuidados básicos de prevenção, vamos relembrar o que podemos fazer para termos um final de ano cheio de alegrias e sem tristeza com acidentes que podem ser evitados. Um grande abraço, fiquem com Deus

Thais

FELIZ NATAL E PROSPERO ANO NOVO AOS SOCORRISTAS




ELIZ NATAL E PROSPERO ANO NOVO AOS SOCORRISTAS!!

A você socorrista, samuzeiro, samuzete, resgatista, bombeiro militar, bombeiro civil.... a todos que compartilham desse dom que Deus nos deu de salvar vidas e ajudar o próximo um feliz natal e próspero ano novo, que Deus abençõe a todos nós e nos proteja nos nossos atendimentos. Um grande abraço.

Thais

enfermagemurgenciaemergencia.blogspot.com.br

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Primeiros Socorros em Parada Cardíaca - Vídeo Aula





Vídeo em formato de aula, mostrando de forma simples, linguagem fácil, para qualquer pessoa que queira aprender os primeiros socorros em um caso de parada cardíaca (termo técnico PCR parada cardiorrespiratória). Onde você irá aprender os 4 passos que salvam uma vida

1 - Reconhecimento da PCR

2 - Pedir ajuda Adequadamente + DEA (desfibrilador externo automático)

3 - Realizar compressões torácicas

4 - Utilizar o DEA



No vídeo, tem uma demonstração na prática de como fazer compressões torácicas retirado do vídeo do IBRAPH, para assistir esse vídeo completo acesse: https://youtu.be/MpVl5EbeKMY  

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Acidente Vascular Cerebral / "Derrame"

Resultado de imagem para ligue para 192

O AVC é a doença que mais mata os brasileiros e é a principal causa mundial de sequelas que levam à incapacidades. Estima-se ao longo da vida, 1 em cada 6 pessoas terá um AVC. Apesar de ser uma doença muito conhecida pelo público como ‘‘derrame’’ e a maioria das pessoas já viu ou conheceu alguém que teve um AVC, poucas pessoas sabem reconhecer os sintomas do AVC, e muitos não sabem a quem recorrer em situações como estas. 
O AVC isquêmico é causado pela obstrução, ou entupimento, de uma artéria ou vaso cerebral, o que em poucas horas pode levar à morte de parte do cérebro. Quando parte do cérebro morre temos as sequelas, como por exemplo a perda de movimentos, de sensibilidade e da capacidade de falar ou compreender. Assim, o tratamento do AVC consiste em desobstruir o vaso que está ocluído, o que é feito pela injeção endovenosa do r-tPA, também chamado de alteplase. Além da alteplase, atualmente está indicada para casos graves de AVC,  a desobstrução do vaso cerebral por via endovascular, também conhecida por cateterismo. Este tratamento é realizado por cateterismo neurológico em conjunto com a injeção da alteplase, e consiste na passagem de um cateter pelo vaso sanguíneo e da sua desobstrução utilizando um tipo de stent, chamado stentriever. Com o stentriever as chances de restaurar o fluxo sanguíneo cerebral aumentam muito e portanto os pacientes têm maiores chances de recuperação.

Como reconhecer um AVC?
• O AVC causa sintomas de início súbito, ou abrupto e não sintomas que vêm ocorrendo há vários anos!
• O AVC geralmente não causa somente dor!
• Os principais sintomas do AVC estão ilustrados abaixo (manual do Minstério da Saúde para atendimento ao AVC).

Sintomas menos comuns relacionados ao AVC, mas que podem ocorrer:
• Confusão mental ou desorientação
• Perda de equilíbrio ou de coordenação motora
• Perda de visão

Ligue URGENTE para o SAMU 192 ou para o serviço de ambulância de seu plano de saúde.

Quais são os tipos de AVC?

AVC Isquêmico   
Quando ocorre a obstrução do fluxo sanguíneo de um vaso cerebral o que leva a morte de parte do cérebro em poucas horas. Este é o tipo mais comum de AVC (80% dos casos)

AVC Hemorrágico (20% dos casos)
Quando ocorre a ruptura de um vaso cerebral com extravazamento de sangue para o interior do cérebro (hemorragia intracerebral), para o sistema ventricular (hemorragia intraventricular) e/ou espaço subaracnóideo (hemorragia subaracnóide).

Quais são os fatores de risco mais comuns para o AVC
Os grande maioria dos casos de AVC são causados pelos fatores de risco abaixo:  
• Hipertensão arterial
• Tabagismo
• Diabetes
• Colesterol alterado
• Idade avançada
• Histórico genético ou familiar
• Sedentarismo
• Obesidade
• Uso de drogas ilícitas
• Alcoolismo 
• Doenças reumatológicas
• Doenças hematológicas
• Doenças cardiológicas (aumento cardíaco, arritmias, doenças valvares, entre outras)

Como diminuir o risco de se ter um AVC
• Os únicos fatores de risco citados acima que não podemos evitar é a idade avançada e o histórico genético, para todos os outros fatores de risco podemos atuar com prevenção e tratamento medicamentoso, e assim reduzir as chances de ter um AVC.

http://interventi.com.br/noticias_show.php?id=17
Google Imagens

sábado, 27 de agosto de 2016

Aprenda os Sinais e Manobras Realizados no Abdome



1) Sinal de Murphy: é positivo quando há parada brusca da   inspiração durante a compressão do ponto cístico; indica   colecistite aguda.

2) Sinal de Blumberg: Manobra da descompressão súbita! Dor à   descompressão abdominal; indica irritação peritoneal.

3) Sinal de Cullen: equimose periumbilical por hemorragia   peritoneal (pancreatite aguda grave).

4) Sinal de Grey Turner: equimose nos flancos (mesmas causas de   Cullen).

5) Sinal de Jobert: desaparecimento da macicez e aparecimento   de timpanismo na região de projeção do fígado. É observado no   pneumoperitôneo (perfuração de vísceras ocas, p. ex., estômago).

6) Sinal do Obturador: dor durante a rotação interna da coxa   fletida; indica apendicite.

7) Sinal de Giordano: dor à punho percussão na região lombar;   indica acometimento renal (positivo em litíase, pielonefrite aguda).

8) Sinal do piparote: é positivo quando há ascite de GRANDE   volume. Pede-se que o paciente coloque sua mão na linha   mediana do abdome e realiza-se a percussão na lateral.

9) Sinal da macicez móvel: decúbitos laterais e percussão (som   maciço X timpânico); ascite de médio volume.

10) Sinal de Rovsing: dor na fossa ilíaca direita à palpação da   fossa ilíaca esquerda; indica apendicite.

11) Sinal de Gersuny: crepitação produzida ao descomprimir o   abdome, indicando fecaloma.

12) Sinal de Torres-Homem: percussão dígito-digital intensamente   dolorosa, localizada e circunscrita. Característico de abscesso   hepático.  

13) Sinal de Lenander (diferença entre a temperatura axilar e   retal)

14) Sinal de Lapinsky (do psoas): dor à compressão do ceco   contra a parede posterior do abdome, enquanto o doente eleva o   membro inferior direito estendido.
15) Manobra de Glenard (choca-se a parede abdominal contra   algo cheio de líquido. Positivo quando você percebe o som do   objeto batendo sobre algo líquido.

16) Reflexo cutâneo abdominal (cócegas): estimulação superficial   do reto abdominal (com uma pena ou o próprio dedo). Positivo   quando se observa movimentação da linha média em direção ao   estímulo.

17) Sinal de Courvosier: vesícula palpável sem a presença de dor.  

Obs:   Posição de Schuster: paciente em decúbito lateral direito   flexionando o membro inferior esquerdo e com o membro superior   esquerdo posicionado atrás da cabeça.

Obs:   Circulação colateral tipo cava (superior e inferior)   Circulação colateral tipo porta (cabeça de medusa)


quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Acidentes com animais peçonhentos






Animais peçonhentos são aqueles que introduzem na pessoa substâncias tóxicas. Como exemplo, cobras venenosas, aranhas e escorpiões.

Se possível quando houver acidente com algum desses animais, capturar ou identificar o animal que picou a vítima, mas não fique perdendo tempo com a captura, pois deve levar a pessoa o mais rápido possível para o atendimento médico, se tiver alguma dúvida se o animal tem ou não veneno, tratar como se o animal fosse peçonhento.

Reconhecimento: 

 Relato da vitima;
 Pequenas marcas causadas pela picada;
 Dor local intensa;
 Inchaço, hematoma e bolhas no local;
 Queda das pálpebras (cara de bêbado);
 Alterações de cor e volume da urina;
 Distúrbios visuais;
 Dificuldade respiratória;
 Parada respiratória;
 Náuseas e vômitos;
 Convulsões;
 Torpor e inconsciência;
 Choque anafilático;
 Se for possível, o socorrista poderá identificar e capturar o animal agressor, desde que esse procedimento não demande muito tempo;
 Se não conseguir identificar trate como se o animal fosse venenoso

Conduta:

 1- Mantenha a vitima em repouso absoluto;
2- Lave a ferida com água e sabão;
 3- Não se deve amarrar ou fazer torniquete;
4- Não cortar o local da ferida;
5- Não sugar o local da ferida;
6- Não colocar nenhum produto sobre a ferida;
7- De bastante liquido para a vítima beber;
8- Remova os anéis, braceletes e outros itens que estejam na extremidade afetada;
9- Prevenir e/ou tratar o estado de choque;
10-Transporte urgente para o hospital mais próximo ou, caso exista, para o hospital de referencia para esse tipo de atendimento.

Observação: nos acidentes por animais peçonhentos o socorrista não deve perder tempo no local. O transporte da vitima devera ser feito o mais rápido possível a fim de se iniciar o tratamento com soro especifico.

Referências:

http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/svs/acidentes-por-animais-peconhentos

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/funasa/manu_peconhentos.pdf

Imagem: Google Imagens

Medicamentos Utilizados em UBS, ESF, UPA, SAMU

Medicamentos Utilizados na Atenção Primária à Saúde e ESF

Adrenalina, Água destilada, Aminofilina, Amiodarona, Atropina, Brometo de Ipratrópio, Cloreto de potássio, Cloreto de sódio, Deslanosídeo, Dexametasona, Diazepam, Diclofenaco de Sódio, Dipirona, Dobutamina, Dopamina, Epinefrina, Escopolamina (hioscina), Fenitoína, Fenobarbital, Furosemida, Glicose, Haloperidol, Hidantoína, Hidrocortisona, Insulina, Isossorbida, Lidocaína, Meperidina, Midazolan, Ringer Lactato, Soro Glico-Fisiologico, Soro Glicosado.

Unidades Não-Hospitalares de Atendimento às Urgências e Emergências

Estas unidades, que devem funcionar nas 24 horas do dia, devem estar habilitadas a prestar assistência correspondente ao primeiro nível de assistência da média complexidade

Medicamentos Abaixo a lista de medicamentos que devem estar disponíveis na unidade de urgência, contemplando medicamentos usados na primeira abordagem dos pacientes graves e também sintomáticos, antibióticos e anticonvulsivantes, uma vez que alguns pacientes poderão permanecer nestas unidades por um período de até 24 horas ou, excepcionalmente, por mais tempo se houver dificuldade para internação hospitalar:

 Adrenalina, Água destilada, Aminofilina, Amiodarona, Amitriptilina, Ampicilina, Atropina, Bicarbonato de sódio, Biperideno, Brometo de Ipratrópio, Bupivacaína, Captopril, Carbamazepina, Carvão ativado, Cefalexina, Cefalotina, Cetoprofeno, Clister Glicerinado, Clordiazepóxido, Cloridrato de Clonidina, Cloridrato de Hidralazina, Cloreto de potássio, Cloreto de sódio, Clorpromazina, Clorafenicol, Codeína, Complexo B injetável, Deslanosídeo, Dexametasona, Diazepam, Diclofenaco de sódio, Digoxina, Dipirona, Enalapril, Escopolamina (hioscina), Fenitoína, Fenobarbital, Fenoterol Bromidrato, Flumazenil, Furosemida, Gentamicina, Glicose isotônica, Glicose hipertônica, Gluconato de Cálcio, Haloperidol, Hidrocortisona, Insulina, Isossorbida, Lidocaína, Manitol, Meperidina, Metildopa, Metilergometrina, Metilprednisolona, Metoclopramida, Metropolol, Midazolan, Nifedipina, Nistatina, Nitroprussiato de sódio, Óleo mineral, Omeprazol, Oxacilina, Paracetamol, Penicilina, Prometazina, Propranolol, Ranitidina, Ringer Lactato, Sais para reidratação oral, Salbutamol, Soro glico-fisiologico, Soro Fisiológico, Soro Glicosado, Sulfadiazina prata, Sulfametoxazol + trimetoprim, Sulfato de magnésio, Tiamina (Vit. B1), Tramadol, Tobramicina Colírio, Verapamil, Vitamina K.

Medicamentos das Ambulâncias SAMU 192

Medicamentos obrigatórios que deverão constar nos veículos de suporte avançado, seja nos veículos terrestres, aquáticos e nas aeronaves ou naves de transporte médico (Classes D, E e F):
 - Lidocaína sem vasoconstritor; adrenalina, epinefrina, atropina; dopamina; aminofilina; dobutamina; hidrocortisona; glicose 50%; - Soros: glicosado 5%; fisiológico 0,9%; ringer lactato; - Psicotrópicos: hidantoína; meperidina; diazepan; midazolan; - Medicamentos para analgesia e anestesia: fentanil, ketalar, quelecin; - Outros: água destilada; metoclopramida; dipirona; hioscina; dinitrato de isossorbitol; furosemide; amiodarona; lanatosideo C.


Referências:

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria 2048/2002.
www.anvisa.gov.br
 www.portaleducação.com.br/farmacia

sábado, 30 de julho de 2016

Como fazer limpeza de ambulância





Video aula mostrando como fazer limpeza e desinfecção de uma viatura de atendimento pré-hospitalar, limpeza concorrente e limpeza terminal



Qualquer dúvida ou esclarecimentos entre em contato t.enfermagemresgate@gmail.com



http://enfermagemurgenciaemergencia.blogspot.com.br/

Video Aula - 1º Socorros Fraturas





Nesse vídeo esta uma video aula mostrando de forma clara e simples para saber o que é uma fratura, tipos de fraturas primeiros socorros, aproveite e bom aprendizado!

Qualquer dúvida ou esclarecimentos entre em contato com o e-mail t.enfermagemresgate@gmail.com

terça-feira, 12 de julho de 2016

TENHA SUA VAGA NUM CONCURSO PÚBLICO!!!







Sou aluna do professor Cássio Rossi e sei como é seu método de ensino, ele é um professor maravilhoso, tem uma didática fantástica para ensinar, se tiver alguma dúvida, você liga para ele e fala direto, ele mesmo pessoalmente responde as suas dúvidas, qual preparatório para concursos que tem uma assistência dessas!!!! Quero dizer que se você aí , auxiliar, técnico ou enfermeiro está estudando para concurso público e está cansado de ficar nas ultimas colocações ou pior nem se classificar, mude sua vida, estude com o Concurseiros da Enfermagem, acesse o site e confira os conteudos dos cursos, eu indico e confirmo vale muiiiiiito a pena fazer o preparatório para concurso com o Professor Cássio, ahhh.. se gostou da dica valiosa, não se esqueça de colocar meu nome no momento da sua inscrição no local INDICAÇÃO > nome Thais Paulino Travaglia. Obrigado, fique com Deus e como o professor Cassio sempre diz!!! Vamos Acabar com Tudo!!!!!!! 


Não se esqueça no momento da inscrição colocar o nome de quem indicou como mostra a imagem abaixo, obrigada!! 


https://www.dedicarecursos.com.br/concurseiros/enf_completo.php




sexta-feira, 8 de julho de 2016

TENHA SUA VAGA NUM CONCURSO PÚBLICO!!!



Clique na imagem e seja redirecionado ao Site


Sou aluna do professor Cássio Rossi e sei como é seu método de ensino, ele é um professor maravilhoso, tem uma didática fantástica para ensinar, se tiver alguma dúvida, você liga para ele e fala direto, ele mesmo pessoalmente responde as suas dúvidas, qual preparatório para concursos que tem uma assistência dessas!!!! Quero dizer que se você aí , auxiliar, técnico ou enfermeiro está estudando para concurso público e está cansado de ficar nas ultimas colocações ou pior nem se classificar, mude sua vida, estude com o Concurseiros da Enfermagem, acesse o site e confira os conteudos dos cursos, eu indico e confirmo vale muiiiiiito a pena fazer o preparatório para concurso com o Professor Cássio, ahhh.. se gostou da dica valiosa, não se esqueça de colocar meu nome no momento da sua inscrição no local INDICAÇÃO > nome Thais Paulino Travaglia. Obrigado, fique com Deus e como o professor Cassio sempre diz!!! Vamos Acabar com Tudo!!!!!!! 


Abaixo mostra o local em que você deve colocar no nome no momento da sua inscrição, não se esqueça, obrigada!!





sábado, 4 de junho de 2016

Saiba como utilizar o Desfibrilador Externo Automático DEA

Desfibrilador Externo Automático DEA





Desfibrilador Externo Automático DEA, é um aparelho fantástico que pode ser utilizado por qualquer pessoa em uma situação de parada cardiorrespiratória (PCR), ele foi projetado para o leigo utilizar (leigo é a pessoa que não é profissional da área da saúde). O DEA quando instalado ele analisa o ritmo que o coração está tendo naquele momento, ele é programado para analisar e  realizar choque nos ritmos fibrilação ventricular e taquicardia ventricular, é sabido que quando uma pessoa se encontra em PCR pode se encontrar quatro tipos de ritmos FV (fibrilação ventricular), TV (taquicardia ventricular), AESP (atividade elétrica sem pulso) e Assistolia. O DEA fala todos os passos que a pessoa que está prestando atendimento a vítima de PCR necessita naquele momento, é de facil manuseio, possui várias marcas, porém seu uso é universal, pode ser encontrado em locais onde há grande circulação de pessoas como shopping centers, estádios de futebol, prédios, grandes empresas, etc. Abaixo segue uma sequencia simples como seria um atendimento com  a utilização do DEA, lembrando que, nesta postagem não está sendo abordado o tema das compressões torácicas.

- Posicionar ao lado da cabeça da vítima + ligar
- Colar as pás no tórax da vítima
- Encaixar os conectores das pás
- Ouvir
- Analisando Ritmos -à Afastar
- Choque indicado?
- Sim -à carregar + chocar , após reiniciar RCP

- Não -à Reiniciar RCP

Um abraço a todos e a todas, fiquem com Deus.

Enf. Thais

Fonte imagem: Google imagens

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Curso de doação de órgãos e tecidos para transplantes - desconto para leitores do Blog



O curso será de formação nas etapas do processo de doação de órgãos e tecidos.

Vamos falar sobre: Processo de doação de órgãos e tecidos, identificação do potencial doador, diagnóstico de morte encefálica e entrevista familiar.
Teremos aulas teóricas e praticas.
As inscrições deverão ser feitas pelo

site:www.lifesdonor.com.br
Atenção: somente para os leitores do Blog Enfermeiros em Urgência e Emergência terão desconto de 10% no curso, é só colocar o nome do Blog no momento da inscrição. Aproveitem.

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Movimento Maio Amarelo

O Movimento Maio Amarelo nasce com uma só proposta: chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo.

CLIQUE NA IMAGEM E VEJA MAIS INFORMAÇÕES

O objetivo do movimento é uma ação coordenada entre o Poder Público e a sociedade civil. A intenção é colocar em pauta o tema segurança viária e mobilizar toda a sociedade, envolvendo os mais diversos segmentos: órgãos de governos, empresas, entidades de classe, associações, federações e sociedade civil organizada para, fugindo das falácias cotidianas e costumeiras, efetivamente discutir o tema, engajar-se em ações e propagar o conhecimento, abordando toda a amplitude que a questão do trânsito exige, nas mais diferentes esferas.
Acompanhando o sucesso de outros movimentos, como o “Outubro Rosa” e o “Novembro Azul”, os quais, respectivamente, tratam dos temas câncer de mama e próstata, o “MAIO AMARELO” estimula você a promover atividades voltadas à conscientização, ao amplo debate das responsabilidades e à avaliação de riscos sobre o comportamento de cada cidadão, dentro de seus deslocamentos diários no trânsito.
A marca que simboliza o movimento, o laço na cor amarela, segue a mesma proposta de conscientização já idealizada e bem-sucedida, adotada pelos movimentos de conscientização no combate ao câncer de mama, ao de próstata e, até mesmo, às campanhas de conscientização contra o vírus HIV – a mais consolidada nacional e internacionalmente.
Portanto, a escolha proposital do laço amarelo tem como intenção primeira colocar a necessidade da sociedade tratar os acidentes de trânsito como uma verdadeira epidemia e, consequentemente, acionar cada cidadão a adotar comportamento mais seguro e responsável, tendo como premissa a preservação da sua própria vida e a dos demais cidadãos.
Vale ressaltar que o MAIO AMARELO, como o próprio nome traduz, é um movimento, uma ação, não uma campanha; ou seja, cada cidadão, entidade ou empresa pode utilizar o laço do “MAIO AMARELO” em suas ações de conscientização tanto no mês de maio, quanto, na medida do possível, durante o ano inteiro.
A motivação para o Movimento MAIO AMARELO não é novidade para a sociedade. Muito pelo contrário, é respaldada em argumentos de conhecimento público e notório, mas comumente desprezados, sem a devida reflexão sobre o impacto na vida de cada cidadão.
Em conclusão, o MAIO AMARELO quer e espera a participação e envolvimento de todos comprometidos com o bem-estar social, educação e segurança em decorrência de cultura própria e regras de governança corporativa e função social; razão pela qual, convidamos você, sua entidade ou sua empresa a levantar essa bandeira e fazer do mês de maio o início da mudança e fazer do AMARELO, a cor da “atenção pela vida”.

Sobre a Década de Ação para a Segurança no Trânsito

A Assembleia-Geral das Nações Unidas editou, em março de 2010, uma resolução definindo o período de 2011 a 2020 como a “Década de Ações para a Segurança no Trânsito”. O documento foi elaborado com base em um estudo da OMS (Organização Mundial da Saúde) que contabilizou, em 2009, cerca de 1,3 milhão de mortes por acidente de trânsito em 178 países. Aproximadamente 50 milhões de pessoas sobreviveram com sequelas.
São três mil vidas perdidas por dia nas estradas e ruas ou a nona maior causa de mortes no mundo. Os acidentes de trânsito são o primeiro responsável por mortes na faixa de 15 a 29 anos de idade; o segundo, na faixa de 5 a 14 anos; e o terceiro, na faixa de 30 a 44 anos. Atualmente, esses acidentes já representam um custo de US$ 518 bilhões por ano ou um percentual entre 1% e 3% do PIB (Produto Interno Bruto) de cada país.
Se nada for feito, a OMS estima que 1,9 milhão de pessoas devem morrer no trânsito em 2020 (passando para a quinta maior causa de mortalidade) e 2,4 milhões, em 2030. Nesse período, entre 20 milhões e 50 milhões de pessoas sobreviverão aos acidentes a cada ano com traumatismos e ferimentos. A intenção da ONU com a “Década de Ação para a Segurança no Trânsito” é poupar, por meio de planos nacionais, regionais e mundial, cinco milhões de vidas até 2020.
O Brasil aparece em quinto lugar entre os países recordistas em mortes no trânsito, precedido por Índia, China, EUA e Rússia e seguido por Irã, México, Indonésia, África do Sul e Egito. Juntas, essas dez nações são responsáveis por 62% das mortes por acidente no trânsito.
O problema é mais grave nos países de média e baixa rendas. A OMS estima que 90% das mortes acontecem em países em desenvolvimento, entre os quais se inclui o Brasil. Ao mesmo tempo, esse grupo possui menos da metade dos veículos do planeta (48%), o que demonstra que é muito mais arriscado dirigir um veículo — especialmente uma motocicleta — nesses lugares.
As previsões da OMS indicam que a situação se agravará mais justamente nesses países, por conta do aumento da frota, da falta de planejamento e do baixo investimento na segurança das vias públicas.
De acordo com o Relatório Global de Segurança no Trânsito 2013, publicado pela OMS recentemente, 88 países membros conseguiram reduzir o número de vítimas fatais. Por outro lado, esse número cresceu em 87 países.
A chave para a redução da mortalidade, segundo o relatório, é garantir que os estados-membros adotem leis que cubram os cinco principais fatores de risco: dirigir sob o efeito de álcool, o excesso de velocidade, não uso do capacete, do cinto de segurança e das cadeirinhas. Apenas 28 países, que abrigam 7% da população mundial, possuem leis abrangentes nesses cinco fatores.


Cadeia Sobrevivência no Afogamento 2016

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Video Aula - Pneumotórax

12 de maio Dia do Enfermeiro

Parabéns equipe de enfermagem, temos desafios todos os dias, enfrentamos dificuldades, trabalhamos muito e muitas vezes não somos reconhecidos, sofremos juntos, somos corajosos, fazemos a diferença na vida de muitos, somos muito importantes no que fazemos, que Deus abençoe a cada um e que dê cada dia mais força e dedicação para fazer a diferença na vida das pessoas.


segunda-feira, 2 de maio de 2016

Semana do APH - 9 a 13 de Maio de 2016 | IBRAPH





Olá! Segue um convite para você que é profissional de APH.

Vem aí a Semana do APH: Evento 100% online e gratuito. 9 a 13 de Maio.

Link de inscrição: http://ibraph.com.br/semana-do-aph/
Transmissão das 5 palestras mais votadas do COBRAPH 1.0:

1. Atendimento inicial ao paciente vítima de trauma no APH
2. Incidentes com múltiplas vítimas
3. Suporte avançado em cardiologia no APH
4. Uso do monitor, desfibrilador manual na prática
5. Retirada de veículos no trauma (rápida e com KED)

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Escala de Braden




A escala de Braden é composta de 6 subclasses que refletem o grau de percepção sensorial, umidade, atividade física, nutrição, mobilidade, fricção e cisalhamento. Todas as subclasses são graduadas de 1 a 4, exceto fricção e cisalhamento, cuja variação é de 1 a 3. O grau de risco varia de 6 a 23, e pacientes adultos hospitalizados com escores de 16 ou abaixo são considerados de risco para a aquisição de úlcera por pressão. Em população mais velha, os graus 17 ou 18 já podem ser considerados críticos. Utilizaremos o escore ≤16 como crítico para desenvolvimento de úlceras por pressão.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Zika vírus, Dengue e Chikungunya





O Zika vírus foi identificado pela primeira vez no Brasil em abril de 2015 e, desde então, tem provocado intensa mobilização das autoridades de saúde no país, principalmente por sua relação com a microcefalia, o que já foi confirmado pelo Ministério da Saúde. A doença tem sintomas parecidos com os da Dengue e da Chikungunya, e todas as três são transmitidas pelo mesmo mosquito: o Aedes aegypti. Como ainda não há uma vacina ou método de cura comprovado, é importante saber diferenciar os sintomas de cada doença e ficar atento para dicas de combate à proliferação do mosquito.


Sintomas da Zika: 

-Febre pode estar presente, porém, é baixa;
-Podem surgir dores leves nas articulações;
-Manchas vermelhas na pele se manifestam nas primeiras 24h;
-Coceira na pele;
-Pode haver vermelhidão nos olhos

Sintomas da Chikungunya: 

-Febre alta e de início rápido;
-Dores intensas nas articulações;
-Manchas vermelhas na pele se manifestam nas primeiras 48h;
-Pode surgir uma leve coceira na pele;
-Pode haver vermelhidão nos olhos.

Sintomas da Dengue: 

-Febre alta e de início imediato;
-Podem surgir dores nas articulações;
-Podem surgir manchas vermelhas na pele;
-Pode surgir coceira na pele;
-Não há vermelhidão nos olhos.

O que fazer para combater o mosquito: 

-Mantenha caixas d’água fechadas com tampa adequada;
-Não deixe água da chuva acumulada sobre a laje;
-Elimine qualquer obstáculo que possa impedir a água de fluir pelas calhas;
-Guarde garrafas sempre de cabeça para baixo;
-Não deixe pneus expostos com água no interior;
-Coloque o lixo em sacos plásticos fechados;
-Lave com sabão e escovas o interior dos recipientes utilizados para armazenar água;
-Use repelentes à base de DEET em áreas de risco de dengue;
-Coloque telas de proteção nas portas e janelas.

Fonte: Comunicação/SES-GO
http://www.revistaemergencia.com.br/dicas_de_emergencia/
Fonte imagem: Google imagens

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Cuidados em inundações

Nem sempre as ameaças naturais podem ser prevenidas, mas é possível diminuir seu impacto ao reduzir a vulnerabilidade da população. Confira algumas dicas para agir em situações de inundações.

1 - Afaste-se dos leitos dos rios, pois com o aumento da velocidade da água novos deslizamentos das margens poderão ocorrer devido ao processo de erosão.

2 - Fique atento para quaisquer sinais de deslizamentos, barulhos e ruídos, inclinação de árvores ou postes, rachaduras, trincamento de espelhos, portas e janelas emperradas ou com dificuldade de abertura.

3 - Evite transitar com veículos pelas ruas e estradas afetadas e, principalmente, por pontes às quais necessitarão de avaliação de sua estrutura

4 - Não consumir água nem alimentos da área inundada, pois poderão estar contaminados.

5 - Evite qualquer tipo de contato com a água das inundações para minimizar o risco de infecção e doenças como a leptospirose.

6 - Quando inevitável o contato com a água da inundação, utilize sempre botas e luvas de borracha, ou saco plástico duplo, durante a limpeza da lama.

7 - Em meio a inundações, evite deslocamentos longos e solitários, principalmente por locais desertos e inóspitos.

8 - No caso de falta de energia elétrica, não utilize velas próximas às cortinas e janelas abertas. Apagá-las antes de dormir e fechar o registro de gás

9 - Mantenha-se sempre informado dos acontecimentos pela imprensa e permaneça em contato com as Secretarias Municipais de Defesa Civil e de Saúde.

10 - Consulte previamente o Plano de Contingência da Família no campo Destaques do site do Departamento Geral de Defesa Civil do Estado do Rio de Janeiro (www.dgdec.defesacivil.rj.gov.br), e aprenda a fazer o seu Plano de Emergência, sua Mochila de Emergência (veja edição 77) e sua Caixa de Emergência familiar.











Fonte: Paulo Renato Martins Vaz - coronel do CBMERJ, diretor-geral da Defesa Civil do Estado do Rio de Janeiro – DGDEC (Departamento Geral de Defesa Civil)
http://www.revistaemergencia.com.br/dicas_de_emergencia/

Fonte imagem: Google imagens

Estado de choque

O estado de choque é caracterizado pela falta de oxigenação e circulação de sangue nos tecidos do corpo, muitas vezes provocada por uma deficiência do sistema cardiovascular ou pela perda de sangue. O sangue é responsável pelo transporte de oxigênio para diversas partes do organismo, principalmente o cérebro e o coração. O oxigênio é essencial à vida, e quando há diminuição de sangue no corpo, há também diminuição do fornecimento de oxigênio, o que pode ser fatal. As principais causas do estado de choque são ferimentos graves, como queimaduras de segundo e terceiro grau, hemorragias, choques elétricos e infecções. Além disto, ataques cardíacos, envenenamento químico e dor intensa (provocada por algum ferimento ou fratura) também podem levar a vítima a entrar em estado de choque.

Principais sintomas: 
Existem diferentes sinais, como: 

Suor frio e abundante
Palidez
Ansiedade
Tontura
Calafrios
Respiração ofegante
Enjôos

O que fazer: 

Manter a calma e acalmar a vítima;
Acionar o Sistema de Emergência;
Se ela estiver consciente, deitá-la de costas, com as pernas levantadas e a cabeça virada para o lado (isto evita pneumonia ou afogamento caso ela vomite);
A cabeça da vítima não deve ser virada para o lado em caso de suspeita de lesão na coluna;
Se possível, afrouxar as roupas da vítima (como gravata, cinto, colarinho, etc.) para facilitar a respiração e a circulação;
Retirar objetos da boca da vítima, como alimentos, secreções ou até mesmo próteses dentárias; Aquecer a vítima com cobertores, toalhas, roupas ou até jornais, mas sempre tomando cuidado para não sufocá-la nem abafá-la;
Em caso de perda de consciência, a vítima deve ser encaminhada ao pronto-socorro o mais rápido possível.

Fonte: Livro Primeiros Socorros – como agir em situações de emergência – SENAC – 3º edição, revista e atualizada
http://www.revistaemergencia.com.br/dicas_de_emergencia/

O Blog Enfermeiros em Urgência e Emergência precisa de sua ajuda!

Obrigado a todos que votaram no Blog Enfermeiros em Urgência e Emergência na primeira fase do Prêmio Top Blog 2015, agora preciso novamente da sua ajuda, peço que você que segue, acompanha, visita, dá uma espiada.. enfim conhece o Blog, vote novamente, no momento o Blog está na colocação Top 100, se você colaborar com seu voto, o Blog pode chegar a ser um dos 3 Blogs mais votados nessa categoria. Agradeço desde já, obrigado por ajudar. 

Estamos no 2º turno de votações do Prêmio Top Blog 2015   :)            :)                 :)

Para votar clique na imagem abaixo ou clique no selo de votação no lado direito

Obrigado novamente


segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Aprenda a fazer o boneco de massagem cardíaca com materiais recicláveis







O MANEQUIM

Passo a passo

MATERIAIS:

- 1 camiseta antiga;
- 1 garrafa PET de 2 litros ou 2,5 litros;
- Isopor ou outro material, como jornal, papel ou tecido - (quantidade suficiente para encher a camiseta);
- Grampeador;
- Fita adesiva;
- 1 cordão.

IMPORTANTE: Para a cabeça do manequim, sugerimos uma máscara, bexiga ou meia. 

1º passo – Grampeie a barra e as mangas da camiseta. Se ela for muito grande, você também terá que grampear as laterais.

2º passo – Depois de grampear, você precisará do material reciclável para encher a camiseta. Comece preenchendo a base e depois as mangas. A camiseta precisa estar cheia, mas é importante deixar espaço para a garrafa PET.


3º passo – Com cuidado, coloque a garrafa PET. A garrafa precisa ser o tórax do boneco, então preencha com material escolhido para que a garrafa fique no meio da camiseta.


4º passo – Dobre a gola da camiseta e grampeie. Pode usar o grampeador quantas vezes achar necessário, para que o isopor ou jornal não saiam da camiseta.


5º passo – O cordão será utilizado para segurar a garrafa PET na gola da camiseta e deve ser amarrado com força. Se precisar, pode pedir ajuda de um colega para que segure a camiseta enquanto você amarra o cordão.


6º passo – O boneco está quase pronto! Nas costas da camiseta, cole a cabeça com fita adesiva. Você pode apoia-la na garrafa PET para ficar centralizada. Também pode colocar bastante fita para que não solte durante a massagem cardíaca.


7º passo – Seu manequim está pronto para o treinamento, mas lembre-se que a garrafa precisa estar centralizada. Guarde-o em um local seguro, pois você utilizará o boneco para aprender a massagem cardíaca e salvar vidas!


Fonte: http://www.socesp2015.com.br/treinamentoemmassa/





segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Afogamento

Pessoal, estamos nas férias.. verão. calor.. é um convite a tomar um banho no mar, rio, lago, piscina, até na caixa de água.. cada um dentro de suas possibilidades, o legal é se refrescar, mas tendo muito cuidado ao fazer isso especialmente se for criança, abaixo você terá dicas de como evitar afogamentos e conhecer também o mecanismo de ação do afogamento, todas as fases que ocorrem até uma pessoa se afogar.




No mundo
Aproximadamente 500 mil pessoas morrem  vítimas de afogamento.

No Brasil 
Segunda causa de morte nas idades entre 5 e 14 anos e a terceira causa de morte externa, independente da faixa etária.

FATORES DE RISCO

 Lactentes e crianças
-Supervisão inadequada

 Adolescentes e adultos
-Comportamento de risco e uso de drogas e álcool.

MECANISMO DE LESÃO

-Vítimas de afogamento adquirem um comportamento de tentar sobreviver
-Silenciam tentando preservar a respiração
-Aumentam a atividade física dentro da água
-A inspiração reflexa involuntária provoca a primeira entrada de água
-Podem ocorrer, a tosse ou o laringoespasmo
-Laringoespasmo (oclusão da glote devido à contração dos músculos laríngeos) ==> HIPÓXIA
-HIPÓXIA > CO2 resultado centro respiratório relaxa a laringe
 (recurso para permitir a entrada do o2)
-Entrada de mais água
-A perda da consciência acontece alguns segundos depois
-Parada respiratória, parada cardíaca e morte.

Resgate da vítima de afogamento

O resgate e salvamento nesses incidentes devem ser feitos por profissionais capacitados e com preparo físico adequado. Alguns cuidados são necessários e garante a segurança dos salva-vidas e da vítima.

Abordagem Inicial

A retirada do indivíduo da água deve ser feita rapidamente (atenção!!! não se torne mais uma vítima!! abaixo observe a cadeia de sobrevivência do afogamento)
-Prevenção das lesões medulares e início imediato das manobras de suporte básico de vida
-Aquecimento da vítima

Protocolo de afogamento

Utilizar o ABC - Vias aéreas, respiração, circulação
Iniciar com 5 ventilações em solo
Após intercalar com as compressões de 30 X 2
Atualizando..
Realizar compressões torácicas a uma frequência de 100 a 120/min
Comprimir a uma profundidade de, pelo menos 2 polegadas 5 cm a 6 cm
Permitir o retorno total do tórax após cada compressão
Minimizar as interrupções nas compressões




No hospital

-ABCDE
-Monitorar os parâmetros vitais
-Controle de infusão (soro e medicação)
-Aspirar S/N
-Intubação orotraqueal (UTI)
-Sondagem nasogástrica
-Sondagem vesical (controle de diurese)
-Aquecimento
-Exames (RX, sangue..)
........

Referências:

Curso de especialização profissional de nível técnico em enfermagem – livro doaluno: urgência e emergência / coordenação técnica pedagógica Julia IkedaFortes ... [et al.]. São Paulo : FUNDAP, 2010.---p. (Programa de Formação de Profissionais de Nível Técnico para a Área da Saúde no Estado de São Paulo)

https://pt.wikipedia.org/wiki/Afogamento#/media/File:Cadeia_sobrevivencia_afogamento_2014_com_texto.jpg

https//eccguidelines.heart.org/wp-content/uploads/2015/10/2015-AHA-Guidelines-Highlights-Por-tuguese.pdf.

Imagens: Google Imagens

Autoria
Thais Travaglia
Enfermeiros em Urgência e Emergência
http://enfermagemurgenciaemergencia.blogspot.com.br/