Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Romanos 8:28

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

14 de Novembro Dia Mundial do Diabetes


Tipos de Diabetes


Tipo 1

Em geral, o diabetes tipo 1, também conhecido por diabetes juvenil, tem início na infância ou na adolescência. Ele surge em indivíduos com falência total do pâncreas, o que exige tratamento adequado durante toda a vida.

Atenção
Para cada tipo de diabetes existem recomendações específicas, consulte sempre o seu médico para que ele defina a melhor conduta para o seu caso.
Tipo 2
É o tipo mais comum e corresponde a 90% dos casos. Em geral, aparece em adultos a partir dos 30-40 anos ou em adolescentes com excesso de peso. Outros fatores que podem contribuir são o sedentarismo, histórico familiar, tabagismo e hipertensão arterial. Nesses casos, o pâncreas produz insulina, mas não em níveis suficientes, daí a necessidade de controle com dieta balanceada, exercícios físicos e, se necessário, administração de medicamentos.
Atenção
Para cada tipo de diabetes existem recomendações específicas, consulte sempre o seu médico para que ele defina a melhor conduta para o seu caso

Pré Diabetes
É um alerta de que algo precisa ser feito antes que o diabetes tipo 2 se torne permanente. Costuma surgir quando as células começam a apresentar dificuldade para absorver a glicose do sangue, mesmo quando o pâncreas ainda produz boas quantidades de insulina.
Atenção
Para cada tipo de diabetes existem recomendações específicas, consulte sempre o seu médico para que ele defina a melhor conduta para o seu caso.

Diabetes Gestacional
Aparece durante a gravidez e costuma desaparecer após o parto. Em alguns casos, pode voltar depois da gravidez, a qualquer tempo, e se estabelecer na mulher com as mesmas características do pré-diabetes ou do diabetes tipo 2. 
Atenção
Para cada tipo de diabetes existem recomendações específicas, consulte sempre o seu médico para que ele defina a melhor conduta para o seu caso.
Fonte: http://www.starbem.com.br/Diabetes/TipoDeDiabetes#Gestacional


Dicas para controlar o diabetes

Pessoas com diabetes podem levar uma vida normal, comendo quase tudo o que gosta. Dai a importância de conversar com um médico e nutricionista para elaborar uma dieta adequada a cada caso, estabelecendo a quantidade ideal de calorias, carboidratos e combinações nutricionais para cada refeição e, claro, para aprender a lidar com a medicação.

O importante é consumir uma mistura equilibrada de carboidratos, proteínas e gorduras saudáveis, com ênfase em verduras, frutas, legumes, carnes magras, grãos integrais. E, em hipótese alguma, abusar de doces, álcool, refrigerantes, frituras e gorduras de origem animal.

1º passo: estabeleça horários para as refeições, distribuindo-as em 5 ou 6 porções diárias.

            Respeite ao máximo os horários das refeições.

            Procure fazer de 5 a 6 refeições ao longo do dia.

            Intercale lanches saudáveis entre as três principais refeições.
            Evite pular refeições. A alimentação regrada ajuda no controle da glicemia e reduz o consumo excessivo de alimentos na refeição seguinte.
            Nos lanches, prefira frutas ou algo mais leve.


2º passo: consuma tipos variados de verduras, legumes e frutas, prefira sempre aqueles de coloração intensa, como os verde-escuros e amarelos.

            Este grupo de alimentos está associado a um menor risco de obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer.


3º passo: escolha alimentos ricos em fibras como verduras, frutas, legumes, feijão, cereais integrais (arroz e pão integral) e farinhas (aveia, trigo).

            As fibras são componentes dos alimentos que, além de ajudar na função digestiva, colaboram para reduzir o colesterol.

            As fibras estão presentes em vegetais, especialmente se consumidos crus.

            Consuma três ou mais porções de legumes e verduras e duas porções ou mais de frutas como parte principal das refeições, sobremesas e lanches.

            Coma, se possível, quatro vezes por semana: feijão, lentilha, ervilha, fava ou grão de bico, preferencialmente. O feijão tem proteína e é rico em ferro. Coloque pelo menos uma concha de feijão ou de outras leguminosas em seu prato no almoço e no jantar.

            Outra opção para aumentar o consumo de fibras é utilizar cereais integrais, farelos de arroz e aveia. A tradicional combinação de arroz com feijão é uma ótima fonte de proteínas.


4º passo: evite alimentos ricos em açúcar como doces, refrigerantes, chocolates, balas e guloseimas.


5º passo: consuma pouco sal de cozinha e evite alimentos com alto teor de sódio. Prefira ervas (salsa, coentro, cebolinha, orégano) ou limão para tornar as refeições mais saborosas.

            O sal contém sódio, o elemento químico associado à hipertensão.

            Sempre leia os rótulos e embalagens dos alimentos industrializados.

            Ao comprar sal, observe se é iodado. O iodo é importante para prevenir certas doenças.

6º passo: diminua o consumo de gordura.

            A ingestão excessiva de gorduras pode levar à obesidade, além de contribuir para o diabetes, pressão alta, aumento de colesterol, doenças cardíacas e até mesmo alguns tipos de câncer.

            O consumo de gordura deve ser moderado, prefira leite desnatado e derivados com baixo teor de gordura (queijos brancos), carnes magras e alimentos preparados com pouco óleo.

            Diminua a quantidade de margarina e manteiga.

            Evite frituras e alimentos industrializados com gordura vegetal hidrogenada. Use óleo de soja para cozinhar.

            Retire o excesso de gordura visível, antes do preparo dos alimentos (pele de frango e gordura aparente das carnes, por exemplo).

            Dê preferência a alimentos assados e cozidos.

            Azeite de oliva pode ser acrescentado a saladas, legumes e pratos prontos, embora com moderação.


7º passo: evite o fumo e as bebidas alcoólicas.


8º passo: beba muita água!

            O ideal é beber dois litros de água por dia (6 a 8 copos), nos intervalos das refeições principais. Porém, no caso de hipertensão ou diabetes, consulte sempre seu médico sobre a quantidade adequada.

            Evite refrigerantes e bebidas alcoólicas.

            Prefira sucos de frutas naturais, mas, se tomar o suco, considere-o como equivalente a uma porção de fruta.


9º passo: mantenha peso saudável.

            Peso saudável é aquele adequado para cada pessoa, de acordo com seu biótipo e características.

            O excesso de peso decorrente do acúmulo de gordura aumenta o risco de várias doenças, incluindo diabetes e hipertensão. Para saber se seu peso está adequado, faça o cálculo simples de seu Índice de Massa Corpórea (IMC): divida seu peso (kg) por sua altura elevada ao quadrado (m2). Se o valor estiver entre 18,5 e 24,9 kg/m², tudo bem. Caso contrário, procure seu médico. Se quiser, utilize a calculadora e verifique se o seu IMC está dentro do padrão no quadro abaixo. 

Peso:
(em Kg - Ex.: 80)
Altura:
(em m - Ex.: 1,80)

Categoria
IMC
Abaixo do peso
Abaixo de 18,5
Peso normal
18,5 - 24,9
Sobrepeso
25,0 - 29,9
Obesidade Grau I
30,0 - 34,9
Obesidade Grau II
35,0 - 39,9
Obesidade Grau III
40,0 e acima


10º passo: procure ter alimentação saudável e atividade física regular e moderada.

            A alimentação saudável é aquela que atende às necessidades de nutrientes que o organismo precisa, sendo variada, saborosa e baseada em alimentos naturais, respeitando a cultura alimentar da região.

            Comer deve ser sempre um prazer, associado à convivência familiar e social.
            Movimentar-se e tornar-se mais ativo é essencial para a saúde física e mental.
            A atividade física e uma alimentação saudável são fundamentais para a saúde e a qualidade de vida em qualquer idade.

            Procure fazer algo agradável no dia a dia, diferente das atividades profissionais. O lazer com a família e os amigos contribui para a qualidade de vida e melhora o rendimento no trabalho.

Confira a pirâmide alimentar que mostra como distribuir os nutrientes em sua refeição. Lembre-se de que todos os grupos alimentares devem estar presentes na sua alimentação, divididos ao longo do dia e com equilíbrio na distribuição das porções de cada um deles.


  
Converse com seu médico, nutricionista e educador físico para definir uma dieta e atividade física adequada ao seu caso. Pessoas com diabetes devem ter sua orientação nutricional definida individualmente, levando em conta fatores como idade, sexo, peso, tipo de atividades e de medicamentos, além de metas e objetivos a serem atingidos.


 Controle do peso

A perda progressiva e constante de apenas 5% ou 10% do peso pode ser suficiente para reduzir o risco de incidência do diabetes tipo 2 e suas complicações, assim como para melhorar os níveis de colesterol, pressão arterial, estresse sobre os joelhos e dispensar, em alguns casos, a necessidade de medicamentos. 

Dicas para a perda de peso saudável

            Junto com seu médico e nutricionista, defina uma meta realista para perder peso.

            Procure iniciar a perda de peso em um momento de vida favorável e tranquilo.

            Avalie honestamente seus hábitos alimentares ao longo de uma semana.

            Fuja das dietas mágicas.

            Evite tentação das guloseimas e lanchonetes.

            Procure envolver toda a sua família em seus planos.

Não tome medicamentos sem o conhecimento do seu médico. Pode ser
extremamente perigoso para a sua saúde.

Fonte: http://www.starbem.com.br/Diabetes/FormasControle