Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Romanos 8:28

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Coren abre processo ético contra técnico de enfermagem suspeito de integrar quadrilha de aborto

O Coren-RJ (Conselho Regional de Enfermagem do Rio de Janeiro) informou nesta terça-feira (30) que o técnico de enfermagem Rildo José Medeiros dos Anjos será submetido a um processo ético no conselho. Rildo foi preso na noite desta segunda-feira (29) suspeito de integrar a quadrilha de aborto responsável pela morte de Elizângela Barbosa, de 32 anos, em Niterói, região metropolitana do Rio. 

Em nota, o conselho afirmou que o técnico de enfermagem "terá o direito à ampla defesa e do contraditório". Se for provada a culpa de Rildo no aborto de Elizângela, o Plenário do Coren-RJ irá impor a "sumária cassação de seus direitos ao exercício profissional da enfermagem". A pena está prevista no artigo 28 do Código de Ética da Enfermagem, que condena o ato de "provocar aborto ou cooperar em prática destinada a interromper a gestação". 
Junto com Rildo, Lígia Maria Silva também foi presta nesta segunda-feira (29). Segundo a polícia, foram cumpridos dois mandados de prisão temporária de 30 dias contra eles, pelo crime de homicídio.

A Polícia Civil identificou, por meio do depoimento de uma faxineira que trabalhava em uma casa onde podia funcionar clínica de aborto clandestina, duas mulheres suspeitas de integrar quadrilha que pratica abortos em Niterói. A partir de denúncia, agentes da Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo chegaram a uma casa na rua Silvino Pinto, no bairro Sapê, para onde Elizângela foi levada, segundo o titular Wellington Vieira.

— Possivelmente é o local do crime [aborto]. Exames periciais complementares vão detectar se o aborto foi feito no interior dela.

Elizângela Barbosa saiu de casa com o marido e os três filhos, no último sábado (20), para ir até o ponto de encontro com o homem que ficaria encarregado de levá-la até a clínica de aborto. Segundo a polícia, após complicações, ela foi abandonada no acesso de uma comunidade na região. Os traficantes teriam obrigado um morador a levar a jovem até o Hospital Estadual Azevedo Lima, onde ela morreu.

Fonte: R7