Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Romanos 8:28

terça-feira, 18 de junho de 2013

Atualização das medidas de controle: Sarampo/Rubéola

Atualização das medidas de controle:  Sarampo/Rubéola Estado de São Paulo, junho/2011.




Sarampo











Documento elaborado e atualizado pela equipe técnica da Divisão de Doenças  de Transmissão Respiratória/CVE e colaboração da Divisão de Imunização/CVE, Estado de São Paulo, Brasil, junho/2011.

O sarampo e a rubéola possuem vigilância integrada desde 1999,  tornando oportuna a detecção de casos e surtos e a efetivação adequada das medidas de controle.
A circulação endêmica do vírus do sarampo foi interrompida no Brasil e no  Estado de São Paulo em 2000 e grandes progressos foram alcançados no  controle da Rubéola/Síndrome da Rubéola Congênita (SRC) em nosso meio, após a campanha da rubéola em 2008.
No entanto, permanece o risco de indivíduos suscetíveis contraírem  sarampo ou rubéola, uma vez que estes vírus permanecem circulando em várias regiões do mundo, onde o controle destas doenças ainda não foi
estabelecido.
A vacina contra sarampo, caxumba e rubéola (SCR), é a única forma de  prevenir a ocorrência destas doenças na população.
A definição de caso suspeito de sarampo é:
“Todo paciente que, independente da idade e da situação vacinal,  apresentar febre e exantema maculopapular, acompanhados de um ou mais dos seguintes sinais e sintomas: tosse e/ou coriza e/ou conjuntivite; ou todo indivíduo suspeito com história de viagem ao exterior nos últimos 30 dias ou de
contato, no mesmo período, com alguém que viajou ao exterior” (1).
A definição de caso suspeito de rubéola é:
“Todo paciente que apresente febre e exantema maculopapular, acompanhado de linfoadenopatia retroauricular, occipital e cervical,  independente da idade e situação vacinal; ou todo indivíduo suspeito com
história de viagem ao exterior nos últimos 30 dias ou de contato, no mesmo período, com alguém que viajou ao exterior”(1).

Na detecção de casos suspeitos de sarampo ou rubéola, as  Secretarias Municipais de Saúde devem:
• proceder a notificação imediata em até 24h à Secretaria de Estado da Saúde;
• proceder a coleta de espécimes clínicos (sangue, secreção nasofaríngea e  urina) para a realização do diagnóstico laboratorial;
• adotar prontamente as medidas de controle: bloqueio vacinal seletivo: deve abranger as pessoas do mesmo domicíliodo caso suspeito, vizinhos próximos, creches, ou quando for o caso, as pessoas da mesma sala de aula, do mesmo quarto de alojamento ou da sala de trabalho, etc.;
Operação limpeza: ampliação do bloqueio vacinal na presença de sorologia  reagente para sarampo ou rubéola. A operação limpeza implica na busca  exaustiva de todos os suscetíveis, mediante a vacinação casa a casa, incluindo os domicílios e os estabelecimentos coletivos, como por exemplo, escolas, creches, orfanatos, canteiros de obras, etc. Ela abrange: os locais freqüentados habitualmente pelo caso com sorologia reagente: todo quarteirão, área residencial ou bairro se necessário; toda a escola, creche,
cursinhos, faculdade, alojamento, local de trabalho e outros estabelecimentos coletivos freqüentados pelo caso; e todo município, quando indicado.
• orientar isolamento social: deve ser reforçada a orientação para que o paciente com os sinais e sintomas fique em casa até o desaparecimento do exantema, reduzindo ao mínimo o número de visitantes (1).

Medidas de Controle

1. VACINAÇÃO DE ROTINA (2)
É importante que o esquema vacinal esteja completo e serão  consideradas doses válidas, apenas as doses registradas na caderneta de vacinação. De acordo com o calendário vacinal do Programa Estadual de
Imunização, a vacina contra o sarampo, caxumba e rubéola (SCR) é aplicada nas seguintes idades:

 Crianças entre 1 ano e 6 anos de idade:
A primeira dose da vacina SCR deve ser aplicada aos doze meses de vida, e a segunda entre quatro a seis anos de idade.

 Crianças a partir de 7 anos e adolescentes até 19 anos:
Todas as pessoas entre 1 e 19 anos de idade, devem ter duas doses davacina SCR. Caso a pessoa apresente documentação com esquema de vacinação incompleto, é suficiente completar o esquema já iniciado.
Para indivíduos sem comprovação de vacinação anterior, aplicar uma dose da vacina SCR na visita ao posto de vacinação e uma segunda dose 2 meses após (intervalo mínimo de 30 dias).

 Adultos entre 20 e 50 anos:
Adultos nascidos a partir de 1960, entre 20 e 50 anos de idade, devem ter pelo menos uma dose da vacina, independente de história pregressa da doença. Caso a pessoa não apresente comprovação de vacina anterior, aplicar uma dose da vacina tríplice viral na visita ao posto de vacinação. Nesse momento não há necessidade de vacinar pessoas com mais de 50 anos de idade, pois a maioria já teve a doença. As mulheres vacinadas deverão evitar a gravidez por pelo menos um mês após a vacinação.

2. VACINAÇÃO DE GRUPOS DE RISCO
Vacinar todas as pessoas pertencentes aos grupos abaixo discriminados, de maneira seletiva:
1 - profissionais do setor da saúde e da educação;
2- população institucionalizada;
3 - estudantes;
4 - trabalhadores da construção civil e do setor de turismo (turistas, agentes de viagens, guias turísticos, taxistas, funcionários dos hotéis e profissionais do sexo, etc.);
5- viajantes;
6 - pessoas nascidas a partir de 1960;
7- mulheres puérperas e pós abortamento.
Atenção: esta vacina não é recomendada para as gestantes, pessoas imunodeprimidas e crianças menores de seis meses.

3. VACINAÇÃO DE BLOQUEIO – caso suspeito de Sarampo ou Rubéola
Quando possível, realizar as ações de bloqueio até 72 horas após o contato. Considerando que nem sempre é possível estabelecer com precisão quando ocorreu a exposição, a vacina deve ser administrada, ainda que tenha ultrapassado o prazo de 72 horas.

 Crianças entre 6 e 11 meses de idade:
Aplicar a vacina SCR. Esta dose não será considerada válida para o esquema de rotina. A criança deverá receber novamente a vacina tríplice viral aos 12 meses e entre 4 a 6 anos de idade. Observar o intervalo mínimo de 30 dias para a revacinação.
 Crianças de 12 meses a 6 anos 11 meses e 29 dias:
- crianças sem nenhuma dose de tríplice viral deverão ser vacinadas no bloqueio (considerar como 1ª dose) e agendar a segunda dose entre 4 a 6 anos de idade.
- crianças com uma dose da vacina tríplice viral deverão ser vacinadas no bloqueio e esta dose será considerada a segunda dose da vacina SCR, desde que tenha intervalo de no mínimo 30 dias da primeira dose. Nesta situação não será necessário agendar a dose aos 4 ou 6 anos de idade.
Obs: durante as ações de bloqueio caso a pessoa tenha recebido alguma dose
da vacina SCR há menos de 30 dias, não haverá necessidade de receber a
vacina durante o bloqueio.
- crianças com duas doses da vacina tríplice viral, não necessitarão ser vacinadas no bloqueio.
 Crianças a partir de 7 anos e adolescentes até 19 anos de idade:
- todos os contatos nessa faixa etária, que não tiverem pelo menos duas doses da vacina SCR com intervalo mínimo de 30 dias, deverão ser vacinados.
 Adultos nascidos a partir de 1960:
- adultos nascidos a partir de 1960, entre 20 e 50 anos, devem ter uma dose da vacina, independente de história pregressa da doença. Nesse momento não há necessidade de vacinar pessoas com mais de 50 anos de idade, pois a maioria já teve a doença. As mulheres vacinadas deverão evitar a gravidez por pelo menos um mês após a vacinação.

4. RECOMENDAÇÕES ADICIONAIS
Para a as pessoas imunodeprimidas, gestantes e crianças menores de seis meses, recomenda-se utilizar a imunoglobulina hiperimune.
A imunização passiva com o uso de imunoglobulina deve ser considerada, se a vacinação for contraindicada para a pessoa suscetível exposta a infecçãoaté seis dias:
 a dose recomendada é de 0,25 mL/kg de peso, via intramuscular, em dose única.
 para pacientes imunodeprimidos e infectados pelo HIV: dose de 0,5 mL/kg de peso (dose máxima de 15 mL), por via intramuscular, o mais precoce possível, após a exposição.
Pode-se dispensar a aplicação a pacientes que façam uso rotineiro de imunoglobulina endovenosa (100 a 400 mg/kg de peso), se a última dose tiver sido aplicada dentro de três semanas antes da exposição.
Observação: pacientes que fizeram uso da imunoglobulina devem ter intervalopara utilização da vacina SCR de 5 meses, se a dose utilizada foi de 0,25
mL/kg de peso e de seis meses se foi utilizado 0,5 mL/kg de peso(imunodeprimidos) (3).

Gestantes
As gestantes vacinadas anteriormente devem ser consideradas imunes.

As não vacinadas, independente da idade gestacional, não devem ser vacinadas, e receberão imunoglobulina, na dose de 0,25 mL/kg de peso (dose máxima de 15 mL), o mais precoce possível, até seis dias após a exposição.
Convém ressaltar que o emprego da imunoglobulina hiperimune em geral, na dose de 0,55 mL/kg pode impedir as manifestações clínicas da rubéola, mas não evita a viremia e tampouco a embriopatia (3,4).

Referências
(1) Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde. Guia de
Vigilância Epidemiológica, 7ª. Ed., 2009 – Sarampo.
(2) Governo do Estado de São Paulo. Secretaria de Estado da Saúde.
Coordenadoria de Controle de Doenças. Centro de Vigilância
Epidemiológica “Prof. Alexandre Vranjac”. Suplemento da Norma Técnica
do Programa de Imunização, 2011.
(3) American Academy of Pediatrics. Red Book, Report of Committee on
Infectious Diseases, Elk Grove Village, IL, 2009.
(4) Plotkin S; Reef SA. Rubella vaccine. In: Plotkin AS, Orestein WA, Offit P,
eds. Vaccines. Fourth ed. Philadelphia, PA:WA Saunders Co, 2008,
p735-71.
Junho/2011

Fonte: Disponível em: http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/resp/pdf/sararub11_medida_controle.pdf Acesso em 18/06/2013
Fonte Imagens: google imagens