Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Romanos 8:28

domingo, 27 de janeiro de 2013

SAMU 192





Como o SAMU 192 Funciona?

O SAMU conta com as Centrais de Regulação Médica, profissionais de saúde e unidades móveis (ambulância, moto, helicóptero e lancha).
As Centrais de Regulação têm um papel primeiro e indispensável para o resultado positivo do atendimento, sendo o socorro feito após a chamada gratuita para o telefone 192.
A ligação é atendida por técnicos que identificam a emergência e, imediatamente, transferem a ligação para o médico regulador, o médico faz o diagnóstico da situação e inicia o atendimento no mesmo instante, orientando o paciente, ou a pessoa que fez
a chamada, sobre as primeiras ações, orientações de primeiros socorros, e aciona ambulância para atendimento quando necessário.Com poder de autoridade sanitária, o médico regulador comunica a urgência ou emergência aos hospitais públicos e, dessa maneira, reserva leitos para que o atendimento tenha continuidade.


Quando chamar o SAMU?

O Serviço Móvel de Urgência e Emergência deve ser acionado pela
população em situações que representem risco de seqüelas graves ao
paciente ou em risco de morte.
Veja exemplos de quando chamar o SAMU:
• Na ocorrência de problemas cardio-respiratórios;
• Em casos de intoxicação por agentes externos;
• Em caso de queimaduras graves;
• Na ocorrência de maus tratos;
• Em trabalhos de parto onde haja risco de morte da mãe ou do feto;
• Em casos de tentativas de suicídio;
• Em crises hipertensivas;
• Em caso de desmaios;
• Quando houver acidentes/trauma com vítimas;
• Em casos de afogamentos;
• Em casos de choque elétrico;
• Em acidentes com produtos perigosos;
• Na transferência inter-hospitalar de doentes com risco de morte.




Saiba mais sobre as Ambulâncias do SAMU

As ambulâncias do SAMU 192, prestam serviço a população, dividem-se em Unidades de Suporte Básico (UBS) e Unidades de Suporte Avançado (USA). As USB  atendem a casos de menor complexidade e contam com equipamento básico de suporte à vida. Sua equipe é formada por condutor socorrista e técnico de enfermagem. As USA (Unidades de Suporte Avançado) são equipadas com aparelhos e equipamentos semelhantes aos de uma UTI hospitalar, sua equipe é formada por condutor socorrista, médico e enfermeiro. 





Motolância
Desde dezembro de 2008 o SAMU 192 conta com a motolância na frota de atendimento às urgências. A moto, a serviço do SAMU 192, é pilotada por um técnico de enfermagem e antecede
a ambulância em localidades de trânsito intenso e territórios de difícil acesso.




Ambulancha
Para garantir o atendimento de urgência e emergência às populações ribeirinhas e litorâneas, desde março
de 2006 as ambulanchas e equipes atuam em localidades sem acesso terrestre e/ou aéreo.








Helicóptero
O Ministério da Saúde e o Ministério da Justiça formalizaram convênio com a Polícia Rodoviária Federal para a operacionalização conjunta do SAMU 192. O convênio prevê ambulâncias de suporte básico, ambulâncias de suporte avançado e helicópteros.





fonte:http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/FOLDER_SAMU.pdf







Transporte Aquaviário - Ambulancha











Em março de 2006, durante o  I Congresso da Rede Nacional SAMU 192, foi realizado o Acordo de Cooperação que celebram o Ministério da Saúde e o Ministério da Defesa (Marinha do Brasil), com finalidade de obter um transporte qualificado e o atendimento às urgências de natureza clínica, traumática, gineco - obstétrica e psiquiátrica, as embarcações permitem que as equipes  de suporte avançado tenham acesso as localidades que inviabilizam os transportes terrestres e/ou aéreo.

AMBULANCHAS SAMU 192 
REGIÃO NORTE
02 - Porto Velho - RO
01 - Macapá - AP
02 - Manaus - AM
01 – Belém - PA
REGIÃO SUDESTE
01 – Rio de Janeiro//RJ



Cursos necessários para a atividade do Transporte Aquaviário

• Curso na Marinha;
• Curso de Salvamento aquático;
• Curso de adaptação à atividade.

Equipe da Ambulancha 


• Condutor de ambulancha;
• Auxiliar marítimo;
• Médico;
• Enfermeiro;
• Técnico de enfermagem.


Indicações para realização do Transporte Aquaviário

• Emergências clínicas;
• Acidentes com animais peçonhentos;
• Traumas graves.



fontes:
http://portal.saude.gov.br/portal/saude/visualizar_texto.cfm?idtxt=24348

http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/FOLDER_SAMU.pdf



















fonte imagens: Portal da Saúde - www.Saude.gov.br


sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Cuidados de enfermagem no banho e higiene corporal do neonato na UTI neonatal



O banho não deve ser dado em prematuro extremo, abaixo de 1.250kg ou criticamente doente.
Pois além da hipotermia, choro, aumento do consumo de oxigênio, altera o pH da pele, diminuindo a barreira de proteção contra microorganismos, pode causar irritação e trauma cutâneo. Nestes casos é aconselhável higienizar com água morna somente a região do períneo após eliminações e locais com sujidade, sem imersão.
Não usar sabão, se for necessário, devido à sujidade, utilizar sabão neutro, sem desodorantes, abrasivos, fragrâncias ou corantes, e de forma infrequente. O primeiro banho deve ser dado após estabilizar todos os sinais vitais.
Em casos de mães HIV positivo ou líquido amniótico fétido deve ser feita a higiene mais precocemente, para diminuir riscos de colonização por bactérias patogênicas.
Usar precauções padrão (luvas) antes e durante o banho ou higiene. Não esfregar a pele se houver vérnix, é aconselhável deixar, e manusear o RN com luvas.


Fonte: PORTAL EDUCAÇÃO - Cursos Online : Mais de 900 cursos online com certificado
http://www.portaleducacao.com.br/enfermagem/artigos/28730/cuidados-de-enfermagem-no-banho-e-higiene-corporal-do-neonato-na-uti-neonatal?utm_source=ALLINMAIL&utm_medium=email&utm_content=46216105&utm_campaign=top10%20-%20enfermagem%20-%20061&utm_term=y.jm.lt92.yuw2bi.b.ecu.q.hd#ixzz2J0x5Eq6E

Principais características do trabalho dos enfermeiros


Na instituição hospitalar, o trabalho dos técnicos de saúde desenvolve-se em unidades de cuidados organizadas segundo as várias especialidades médicas. Nesse contexto, os enfermeiros inseridos nessas unidades realizam o seu trabalho em equipes de 15, 20, 30 ou mais elementos, consoante às necessidades e ao tipo de cuidados exigidos.

Em termos de espaço físico, a maioria das unidades de cuidados destina aos enfermeiros um gabinete para o chefe, uma sala de trabalho, onde se realizam todas as atividades dos profissionais de enfermagem, executando os cuidados diretos ao doente. Como tal, os enfermeiros não possuem um espaço para reuniões de equipe, ou para alguns momentos de pausa.

No que se refere ao tipo de horário, os enfermeiros devem trabalhar 40 horas semanais distribuídas por turnos de 8 horas, que podem ser praticadas no período da manhã, tarde ou noite.

Na maioria das vezes o número de horas de trabalho pode ainda prolongar-se por diversos motivos, tais como: excesso de atividades a realizar; tempo gasto na passagem de turno (a transmitir informação); atraso por parte dos colegas, ou ainda por situações inesperadas e urgentes relacionadas aos doentes. Verifica-se, porém, que o acréscimo de horas de trabalho, fora do horário normal de serviço dos enfermeiros, não é objeto de qualquer compensação.

Do exposto, torna-se fácil compreender alguns dos constrangimentos vivenciados pelos enfermeiros, tanto no contexto do seu trabalho, como no exercício das suas funções. Tais constrangimentos refletem-se, sobretudo no nível dos sentimentos de identidade e autonomia. Contudo, referem alguns autores, tal problema advém também da própria atitude destes profissionais de saúde, os quais têm permitido que o seu trabalho fosse organizado para dar resposta prioritariamente às prescrições feitas à determinada doença, assim como às regras institucionais (Lopes, 1997).

No entanto, todos os enfermeiros sabem que têm uma forte razão social para existirem, pelo que ninguém pode conceber uma organização de saúde em que tais profissionais não estejam incluídos. Mas, apesar disso, e muito embora se trate do maior grupo profissional do setor da saúde, não lhes é, por vezes, dada a oportunidade de participar nas decisões das suas políticas, seja a níveis mais elevados ou a níveis mais intermédios.

Para melhor compreendermos algumas das causas desta problemática, é importante referir que, devido à evolução técnica e ao conhecimento científico (desde o início do século XX), os enfermeiros passaram a acumular uma diversidade de papéis, tais como: o de gestor da unidade de cuidados, o de apoio à pessoa doente e, também, com um relevo especial, o de colaborador no trabalho do médico. 

Segundo Lopes (1997), neste amplo conjunto de funções sempre foi concedido aos enfermeiros certo "espaço de poder", tratando-se, porém de um poder virtual, dado que havia sempre alguém a controlar tal poder, mesmo que de uma forma subjetiva. Por isso, os enfermeiros ocuparam sempre um papel essencial nas instituições hospitalares, mas ocupando sempre um lugar de retaguarda.

Desse modo, os profissionais de enfermagem foram se organizando e deixando que os organizassem no sentido de que aceitariam o dever de cuidar das pessoas sem nunca exigirem o direito de determinar o modo como satisfariam tal dever. Como tal, sempre se esperou que os enfermeiros respondessem à obrigação de cuidar fosse a que circunstâncias fossem (Salvage, 1990).

Posto isso, os enfermeiros ocupam o seu tempo em uma multiplicidade de tarefas e atividades polivalentes. No entanto, sabe-se que são constantemente dominados por uma sensação de ambivalência, por não estarem a realizar aquilo que lhes compete, devido à enorme quantidade de tarefas que obrigatória e quotidianamente devem executar em tempo útil. Tal realidade, quando percebida, provoca sentimentos de irritação e de frustração nos enfermeiros, sentindo-se condicionados por fatores do contexto que os levam a reagir à margem do seu ideal profissional e pessoal.

Perante isso, as tomadas de decisão na organização do trabalho dos enfermeiros devem ser em função das necessidades da pessoa e não de interesses pessoais, institucionais ou de outros técnicos, de normas ou rotinas. Para tal, impõe-se uma reestruturação no funcionamento dos serviços por meio de novas dinâmicas das relações interpessoais no trabalho, anulação e libertação de comportamentos estereotipados, definição de objetivos qualitativos, em síntese, uma filosofia, como cidadão e ser humano que é.

Fonte: PORTAL EDUCAÇÃO - Cursos Online : Mais de 900 cursos online com certificado
http://www.portaleducacao.com.br/enfermagem/artigos/28692/principais-caracteristicas-do-trabalho-dos-enfermeiros#ixzz2J0vzI9WA

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Em época de verão, endocrinologista orienta sobre controle de peso e dieta




Na época mais quente do ano, as praias ficam bastante frequentadas. Para se exibir, muita gente faz dieta, malha bastante e procura métodos alternativos para ficar com o corpo em forma. Há casos em que a pessoa está acima do peso e quer emagrecer. Em outros, a pessoa é magra e quer engordar. Mas os médicos alertam: fazer dietas ou tomar remédios sem orientação de um profissional pode causar sérios problemas à saúde.
Em entrevista ao Bom Dia Pernambuco desta quarta-feira (26), o médico endocrinologista Gustavo Caldas explicou que a falta de uma avaliação médica pode gerar orientações erradas e, a longo prazo, ter efeitos negativos para a saúde. “Existe o ditado que diz que, para emagrecer, o sujeito se joga de qualquer altura. É uma coisa muito perigosa”, disse o médico.
Gustavo conta que o governo federal lançou uma portaria no ano passado para tirar uma série de medicamentos do tipo anfetamina do mercado. “Alguns medicamentos têm efeitos colaterais importantes.”
Adolescentes, em alguns casos, podem tomar remédio para emagrecer. “Não é uma coisa que está completamente regulamentada, mas sob orientação médica, em casos estritamente selecionados, com um bom profissional, ele pode ser utilizado”, contou o endocrinologista.
A glândula tireoide é responsável por fornecer uma espécie de “combustível” para todas as células do organismo, de acordo com Gustavo Caldas, e pode influenciar no aumento ou na perda de peso. “Quando ela está funcionando em excesso ou em falta, pode provocar uma série de distúrbios, como falta de hormônios ou excesso”, falou.
Atividades físicas podem contribuir, além no controle do peso, na prevenção de doenças. “O exercício físico ajuda no condicionamento cardiovascular e dimunui o risco de diabetes, de hipertensão. Uma atividade física de 30 minutos pelo menos de quatro a cinco vezes por semana irá diminuir enormemente uma série de complicações.”

fonte: http://g1.globo.com/pernambuco/noticia/2012/12/em-epoca-de-verao-endocrinologista-orienta-sobre-controle-de-peso-e-dieta.html

Curso ACLS Vitória 20 e 21 Abril 2013




Certificado por American Heart Association.
Novas Diretrizes AHA 2010.
Público alvo:Médicos, Enfermeiros Fisioterapêutas e alunos do Sexto ano de Medicina.
Datas:  20 e 21 Abril  2013
Local:Hotel Canto do Sol
Rua Dante Micheline,395
Local:Valor: 5X R$296,00 (Cheques pré -datados/VISA/MASTERCARD)
Material de Estudo: Manual do ACLS
Informações: 0800 771  1012
(vivo) (14) 97970190
(oi) (14)8820-1016
(tim) (14)8134-7696
(claro) (14)9135-6614
http://www.cursosfutura.com.br/2012/07/18/curso-acls-vitoria-07-e-08-abril-2013/

Curso ACLS Presidente Prudente 13 e 14 Abril 2013-Matrículas Abertas!!







Curso ACLS Presidente Prudente 13 e 14 Abril 2013-Matrículas Abertas!!

Certificado por American Heart Association.
Novas Diretrizes AHA 2010.
Público alvo:Médicos, Enfermeiros Fisioterapêutas e alunos do Sexto ano de Medicina.
Datas:  13 e 14 Abril2013
Local:Hotel Portal D´Oeste
Local:Valor: 5X R$296,00 (Cheques pré -datados/VISA/MASTERCARD)
Material de Estudo: Manual do ACLS
Informações: 0800 771  1012
(vivo) (14) 97970190
(oi) (14)8820-1016
(tim) (14)8134-7696
(claro) (14)9135-6614

Curso ACLS Marília 04 e 05 Maio 2013











Certificado por American Heart Association.
Novas Diretrizes AHA 2010.
Público alvo:Médicos, Enfermeiros Fisioterapêutas e alunos do Sexto ano de Medicina.
Datas:  04 e 05  Maio 2013
Local:Valor: 5X R$296,00 (Cheques pré -datados/VISA/MASTERCARD)
Material de Estudo: Manual do ACLS
Informações: 0800 771  1012
(vivo) (14) 97970190
(oi) (14)8820-1016
(tim) (14)8134-7696
(claro) (14)9135-6614

http://www.cursosfutura.com.br/2012/12/04/curso-acls-marilia-04-e-05-maio-2013/

Curso ALSO Manaus 16 e 17 Março 2013 Manaus-Única Turma em Manaus




Curso Also Manaus 16 e 17 Março 2013
Curso Pré Requisito para assumir vagas em Centros de Parto
Programação
Síndromes Hemorrágicas do Final da Gestação
Complicações Clínicas da Gravidez
Hemorragia no Pós Parto
Reanimação Materna
Primeiros Cuidados Maternos com o RN
Casos Clínicos
Vigilância Fetal Intraparto
Apresentação Anômalas
Distocia de Ombro
Fórceps e Vácuo Extrator
Distocia
Complicações do Primeiro Trimestre
Trabalho de Parto Prematuro e Ruptura Prematura de Membrana
Assistência Obstétrica Segura e Gerenciamento
Apoio Emocional às Complicações do Nascimento
Laceração de 3º e 4 ºGraus
USG
Cesariana
Data: 06 e 07 Abril 2013
Local: UEA  Carvalho Leal, 1777 Cachoeirinha Manaus AM
Público Almo: Médicos e Enfermeiros, Enfermeiros Obstetras (pré -requisito)
Investimento 5x R$ 470,00 (CHEQUES PRE-DATADOS/CARTÕE VISA E MASTER CARD) à vista  R$ 2230,00
FONE FIXO 0800 771 7012
Contato Local:Enfª Viviane (Vivo) 9231-9328  (tim) 8157 9328
TIM       (14) 8134-7696
VIVO     (14) 9754 7635/9795-0190
CLARO (14) 9135-6614
OI          (14) 8820-1016
Matrículas Abertas
Inscrições pelo site:
www.cursosfutura.com.br
atendimento@cursosfutura.com.br

domingo, 6 de janeiro de 2013

Curso Picc Brasília 02 e 03 Março 2013 -Matrículas Abertas


Curso Picc Brasília 02 e 03 Março 2013 -Matrículas Abertas


Curso de habilitação para utilização, inserção, manutenção e cuidados com cateter central de inserção periférica (PICC-CIPP)adulto/pediátrico/neonatal
Data: 02 03 Março 2013 ( sábado e domingo) das 8:00 às 18:00
Local:Parla Mundi – LBV  Brasília  DF
Nº de Vagas: 30
Carga Horária:20 horas
Investimento:4x 149,00 cheques ou VISA MASTERCARD, a vista 5% desconto.
Ligue: 0800 771 7012 
vivo (14) 9745 7635/9795 0190
oi (14) 8820 1016
claro(14)9135 6614
Instrutora: Profª Ms. Luciene Muniz Braga
Enfermeira Assistencial em UTI Neonatal e Pediátrica
Enfermeira Especialista em Infecção Hospitalar-Universidade Federal de Minas Gerais-UFMG
Mestre em Ciências da Saúde – Área de concentração Pediatria-Instituto dos Servidores do Estado de Minas Gerais, IPSEMG.
Doutoranda em Ciências da Saúde – Área de concentração Pediatria-Instituto dos Servidores do Estado de Minas Gerais, IPSEMG
Professora Assistente do Departamento de Medicina E Enfermagem da Universidade Federal de Viçosa-UFV.
Instrutora de Cursos Picc desde 2003 Trainee em Picc Bd.
Público Alvo: Enfermeiros, Médicos e Graduandos do último período de Enfermagem
Programa
8:00 – Abertura e entrega de materiais
8:15 – Histórico da terapia intravenosa/Qualificação Profissional
9:00 – 10:00 A qualidade da terapia intravenosa baseada na ética
e na segurança
10:00 – 10:15  Coffee break
10:15 – 11:00 Conceito de PICC/Indicação x Contra indicação
11:00 – 13:00 Anatomia dos vasos sanguineos
13:00 – 14:00 Almoço
14:00 – 15:00 Propriedades das soluções intravenosas
15:00 – 15:30 Seleção do cateter
15:30 – 15:40 Coffee-Break
15:40 – 17:00 Complicações relacionadas ao Picc e
Intervenções de Enfermagem
17:00 – 18:00 Cuidados de manutenção e remoção/Protocolos
 8:00 – 09:30 Infecção relacionada ao Picc
9:30 – 09:40 Coffee break
09:40 – 12:00 Demostração prática
da Inserção
12:00 – 13:00 Almoço
13:30 – 16:30 Aula prática de inserção do
PICC realizada por cada participante
16:45 – 17:30 Avaliação escrita
18:00  Encerramento
 MATERIAL FORNECIDO: 01 APOSTILA DE PRÉ ESTUDO, 01 APOSTILA IMPRESSA , 01  CD, 01 CERTIFICADO
CERTIFICADO VÁLIDO EM TODO O TERRITÓRIO NACIONAL E EMITIDO NO FINAL DO CURSO
VAGAS LIMITADAS!!
INSCRIÇÕES LIGUE GRÁTIS: 0800 771 7012
http://www.cursosfutura.com.br/2012/10/08/curso-picc-brasilia-09-e-10-marco-2013-matriculas-abertas/