Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Romanos 8:28

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Ácido Fólico, suplemento essencial durante a gestação





Durante a gravidez, tão importante quanto cuidar da própria saúde e da saúde do bebê, é observar as indicações médicas sobre os suplementos que devem ser ingeridos. Um deles, o Ácido Fólico, é essencial para evitar malformações fetais, mas essa vitamina hidrossolúvel ainda é pouco consumida pelas mulheres brasileiras.
 
O Ácido Fólico, também conhecido como vitamina B9 ou vitamina M, atua como coenzima no metabolismo de aminoácido na síntese de purinas e pirimidinas e dos ácidos nucleicos (DNA e RNA). A versão sintética do folato também age no aumento do volume de eritrócitos, das células miometriais do útero gravídico e docrescimento da placenta e do feto.
 
O folato é encontrado, em sua grande maioria em vegetais de folhas verde-escuras, feijão, lentilha, amendoim, morango, kiwi, suco de laranja, ervilha, milho e fígado. A falta dele pode impedir a renovação celular durante o fechamento do tubo neural.
 
Uma pesquisa da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) apontou que apenas 13,8% das 500 mulheres participantes do estudo, ingeriram suplemento de ácido fólico antes de engravidar. Conforme o ginecologista e obstetra, Alberto Jorge Guimarães, a utilização da vitamina, por no mínimo 30 dias antes do início da gestação e no primeiro trimestre, reduz em até 75% as chances de defeitos na estrutura que origina o cérebro e a medula espinhal.
 
Estima-se que uma a cada 1000 crianças nascidas no Brasil tem algum problema relacionado à malformação do tubo neural como anencefalia e espinha bífida. O diagnóstico para anencefalia – característica que impossibilita a vida – é realizado no pré-natal através de ultrassom morfológico. Em casos deespinha bífida, a gravidade varia dependendo da posição da lesão e da extensão de descolamento dos nervos da medula espinhal. Normalmente as crianças necessitam de tratamento, muitas vezes passando por cirurgia logo após o nascimento, mesmo assim a maioria pode apresentar paralisia e dificuldade de aprendizagem, afirma Eduardo Borges da Fonseca, médico, professor da UFPB e também líder da pesquisa.
 
O Ácido Fólico ainda deve ser usado de forma correta. O estudo revelou que a maioria das mulheres ingere doses maiores que as ideais (de 400 mcg/dia) e esse excesso pode contribuir para nascimento de bebês de baixo peso.
 
"Seria fundamental que a mulher procurasse um médico para esta orientação antes da gestação ou bem no início. A maioria das  mulheres só chegam ao médico de dois a três meses depois do início da gravidez, uma fase tardia para o início da suplementação, perdendo a oportunidade de prevenção de uma alteração grave e de baixo custo" completa o médico.