Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Romanos 8:28

sábado, 20 de agosto de 2011

Uso da Motolância - Motossocorrismo


Matéria sobre motossocorrismo da Revista Emergência, realizada em Campo Grande.

Com dois anos de criação, o motossocorrismo em Campo Grande comprova viabilidade e economia. "É uma ferramenta essencial para a redução de tempo de resposta no atendimento e de gastos, além da facilidade de manter a estrutura", comenta o chefe do Centro de Resgate e Atendimento Pré-Hospitalar, major Marcello Fraiha. A manutenção com as motocicletas é menos onerosa do que com veículos quatro rodas, além de proporcionar economia com a moto que roda mais quilômetros com menos combustível.
Conforme Marcello Fraiha, o serviço de moto operacional implantando no mês de julho de 2009 manteve a redução de 20% no tempo de resposta no atendimento das emergências. "Nas ocorrências, as motos vão na frente para checar a veracidade dos fatos e prestar os primeiros atendimentos. Dependendo da situação, não há a necessidade do deslocamento de uma estrutura maior", explica. Do total de atendimentos dos Bombeiros, pelo menos 30% envolvem socorros de pessoas que tiveram mal súbito, de residências ou estabelecimentos com vazamento de gás, entre outras situações.
O tempo de resposta está entre cinco e sete minutos. Dentro das mochilas das equipes há desfibriladores, equipamentos para respiração artificial, além de kits específicos para cada urgência como queimaduras, gestantes, entre outros. De acordo com o chefe do Centro de Resgate e Atendimento Pré-Hospitalar, cada equipe é formada por duas motocicletas, uma transportando material para emergência clínica e outra levando material para emergência traumática. "No total contamos com seis motos, sendo duas para cada equipe e uma de reserva para cada", informa. Cada moto equipada com radiotransmissor custa em média R$ 15 mil.
Os motossocorristas atuam nos grupamentos do Centro de Campo Grande, localizado na Rua 14 de Julho e na Avenida Costa e Silva, cobrindo desta forma as regiões norte e sul, onde ocorre maior número de ocorrências. "Do total de atendimento dos Bombeiros, 70% são acidentes de trânsito. A cada dez acidentes, sete envolvem motociclistas", revela Marcello Fraiha. Os militares que atuam como motossocorristas passaram por uma capacitação na Polícia do Exército.
Segundo Fraiha, o objetivo é levar o serviço de Moto Operacional para o interior do Estado. Devem ser beneficiados os municípios de Corumbá, Dourados e Três Lagoas. Outra novidade é a intenção de utilizar o GPS nas motocicletas, como já acontece em algumas viaturas dos Bombeiros para facilitar o deslocamento das equipes no atendimento às ocorrências.

fonte:http://www.revistaemergencia.com.br/site/content/noticias/noticia_detalhe.php?id=J9jjJjjb

foto:http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/programaminimomotos_2009_02_07.pdf