Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Romanos 8:28

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Eletrocardiogramas são destaque no APH brasileiro


O projeto Tele-Eletrocardiografia Digital, uma parceria entre o Ministério da Saúde e Hospital do Coração de SP (HCor), completa um ano de atuação no país, com resultados positivos. Desde novembro de 2009, contabiliza 4.621 eletrocardiogramas em mais de cem municípios de todas as regiões do Brasil, por meio do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), coordenado pelo Governo Federal.
Com 247 ambulâncias com aparelhos de eletrocardiograma, o atendimento do SAMU, que tem média de tempo estimada em 15 minutos para socorro, conta com tecnologia do HCor, para identificar problemas cardíacos ainda no atendimento pré-hospitalar. Neste primeiro ano de parceria, foram produzidos mais de 1.050 laudos sobre alterações cardiológicas de pequena, média e alta gravidade. As principais ocorrências foram infarto, fibrilação atrial, arritmias cardíacas, taquicardias e bradicardias.
Ao todo, 22 estados, de todas as regiões do país, contam com a tecnologia de tele-eletrocardiograma digital. Os estados pioneiros no serviço são Paraná, Brasília, Goiás, Alagoas, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Paraíba, Rio Grande do Norte e São Paulo (Campinas). Os estados de Rondônia, Amapá e Acre, além do município de Guarulhos (SP) estão discutindo a implantação do projeto.
"A Tele-Eletrocardiografia é uma relevante ferramenta que auxilia e aprimora a rede de atendimento do SAMU 192", afirma Clésio Castro, coordenador nacional do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência.

Funcionamento

O Sistema de Tele-Eletrocardiografia Digital possibilita ao profissional um diagnóstico preciso do paciente com sintomas de problemas cardíacos. Isso se deve ao Tele-Eletrocardiógrafo Digital Portátil, que envia o eletrocardiograma - via celular ou telefone fixo, pela internet - para a central de Telemedicina do HCor. No hospital, o exame é analisado e o resultado encaminhado diretamente para a equipe do SAMU.

Destaque no APH

As novas tecnologias têm tido um grande destaque na Medicina, como se pode verificar pela matéria da Revista Emergência da edição 25, de fevereiro/março de 2011, que traz uma reportagem especial sobre a modernização do atendimento pré-hospitalar brasileiro. De acordo com a reportagem, o atendimento pré-hospitalar brasileiro está com o mercado aberto a investimentos para tentar superar um déficit tecnológico. Se, por um lado, há serviços que ainda esbarram na fase de implantação, outros buscam equiparar-se ao que há de mais moderno no mundo em gestão e atendimento. O hiato entre o Brasil e os países mais desenvolvidos em atendimento pré-hospitalar é expressivo, mas a realidade começa a ser modificada com soluções que chegam para salvar mais vidas.
As principais novidades estão relacionadas ao conceito de Telemedicina, com o diagnóstico à distância, acredita Claus Robert Zeefried, diretor médico da Divisão de Pesquisa e Modernização do SAMU São Paulo/SP. Ele destaca a tecnologia que permite realizar o ECG (Eletrocardiograma) nas ambulâncias, enviar o resultado a uma central de especialistas e, de lá, devolvê-lo devidamente interpretado.
"Existem no mercado vários modelos de transmissão de ECG à distância e todos têm por objetivo fazer um diagnóstico de maior precisão do eventual quadro de urgência cardiológica. Isso muda substancialmente, em certas situações, a definição do atendimento e o destino final de algumas vítimas", pondera.


fonte: http://www.revistaemergencia.com.br/site/content/noticias/noticia_detalhe.php?id=JajgAQjj

Redação Revista Emergência
Foto: Luís Oliveira/MS