Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Romanos 8:28

sábado, 18 de setembro de 2010

MATERIAL ELETROCARDIOGRAMA - ECG




O QUE É ELETROCARDIOGRAMA (ECG) ?

O Eletrocardiograma (E.C.G.) é o registro extracelular das variações do potencial elétrico do músculo cardíaco em atividade.
São colocados 5 eletrodos à superfície corporal: um em cada punho, um em cada tornozelo e um móvel que pode ser colocado na superfície torácica sucessivamente em seis posições diferentes, posicionadas com a finalidade de captar e registrar a atividade elétrica do coração. Por convenção, o eletrodo do punho direito recebe o nome de R (right), o punho esquerdo de L (left) e o do tornozelo esquerdo de F (foot). O eletrodo do tornozelo direito é ligado ao fio terra.
Estes eletrodos podem ser ligados entre si, cada uma destas ligações é conhecida como uma derivação do eletrocardiograma.

QUAIS SÃO AS DERIVAÇÕES?

Derivações bipolares ou clássicas: (DI, DII e DIII)que registram a diferença de potencial entre dois membros e foram introduzidas por Einthoven que imaginou o coração no centro de um triangulo eqüilátero cujos vértices estariam representados pelo braço direito (R), braço esquerdo (L), e perna esquerda (F).
As ligações feitas são:
· DI=VL-VR (braço esquerdo - braço direito)
· DII=VF-VR (perna esquerda - braço direito)
· DIII=VF-VL (perna esquerda - braço esquerdo)
aVR aVL aVF
V1 V2 V3 V4 V5 V6

POTENCIAL DE AÇÃO

O primeiro grupo de células a se despolarizarem são as células do nodo sinusal que são auto excitáveis, a onda de atividade se propaga e temos a despolarização dos dois átrios, a despolarização atrial produz um vetor dirigido predominantemente para frente e para a esquerda, determinando a onda P no registro eletrocardiográfico. Em seguida, a onda é transmitida ao nódulo atrioventricular, ocorrendo logo após a despolarização do septo interventricular, da esquerda para a direita (onda Q). A onda de despolarização atinge, em seguida, as paredes do ventrículo onda da predominância da massa ventricular esquerda, o vetor resultante volta-se para a esquerda, para baixo e para trás, e por último, tem-se a despolarização da região alta posterior do septo interventricular e das paredes ventriculares, parte que não recebe ramificação da rede de Purkinje. O vetor resultante gira para uma posição obliqua dirigida para trás, para cima e para a direita, resultando na onda S.
A repolarização ventricular se processa numa ordem totalmente distinta, progredindo do epicárdio para o endocárdio. Isto se deve a serem mais curtos os potenciais de ação das células próximas ao epicárdio, resultando daí serem estas as primeiras a se respolarizarem (onda T). A direção média predominante durante a repolarização é do ápice para a base do coração, isto é, aproximadamente oposta à direção da despolarização ventricular (onda R).
A repolarização do átrio é encoberta pela despolarização do ventrículo, não sendo registrada no ECG.