Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Romanos 8:28

sexta-feira, 12 de março de 2010

H1N1: Profissionais da saúde na primeira etapa de imunização


A primeira etapa da estratégia nacional de vacinação contra a gripe pandêmica começou na segunda segunda-feira, 8. Durante duas semanas, até 19 de março, somente os trabalhadores de serviços de saúde que atuam diretamente na resposta à nova gripe e os indígenas que vivem em aldeias serão imunizados. O público-alvo é estimado em 1.915.000 trabalhadores de serviços de saúde e 566.000 mil indígenas. A meta é vacinar, pelo menos, 80% dessas pessoas. Cada estado, em parceria com os municípios, é responsável por determinar como a vacina chegará a essa população (incluindo os trabalhadores da rede privada envolvidos diretamente no atendimento dos casos suspeitos da nova gripe), bem como os locais e horários de vacinação.
Entre os trabalhadores, estão médicos, enfermeiros, recepcionistas, pessoal de limpeza e segurança, motoristas de ambulância, equipes de laboratório e profissionais que atuam na investigação epidemiológica. São pessoas que estão diretamente envolvidas no atendimento de pessoas com suspeita de gripe, que procuram os serviços de saúde por estarem sentido os principais sintomas da doença - febre, tosse, dor de cabeça, dores no corpo, nos olhos e nas articulações e falta de ar. Os indígenas que vivem em aldeias serão vacinados pelos agentes da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), como ocorre nas demais campanhas de vacinação do Ministério da Saúde.
"Por sua complexidade, esta campanha será o maior desafio já enfrentado pelo Programa Nacional de Imunização. Portanto, é fundamental a colaboração de todo o país para garantirmos o êxito em proteger, ao máximo, nossa população", avalia o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, que reforça: "Estamos protegendo os grupos mais frágeis e aqueles têm maior risco de adoecer e morrer".
A vacinação de grupos prioritários segue parâmetros da Organização Mundial da Saúde (OMS), que recomenda a imunização de trabalhadores de serviços de saúde, indígenas, gestantes e pessoas com doenças crônicas. O governo brasileiro - em consenso com sociedades científicas, entidades de classe e representantes de estados e municípios - ampliou a vacinação para outros três grupos: crianças de 6 meses a menos de 2 anos e adultos saudáveis de 20 a 29 anos e de 30 a 39 anos.

Período: 08/03 a 19/03

fonte: http://www.revistaemergencia.com.br/site/content/noticias/noticia_detalhe.php?id=JayAJa&__akacao=237190&__akcnt=41a34f40&__akvkey=7331&utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=Emergncia%20News%20Ed.%2009/10