Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Romanos 8:28

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Câncer de pele deve ser prevenido desde a infância


Tomar sol, além de deixar a pele com tom bronzeado, também faz muito bem à saúde. Isso porque ajuda o organismo a absorver vitamina D, ótima aliada no combate a doenças como raquitismo e osteoporose e na prevenção de alguns tipos de câncer, entre eles o de mama, ovário, colo do útero e próstata.
No entanto, o astro-rei também pode prejudicar o seu bem-estar, já que a exposição excessiva aos raios solares UVA e UVB pode causar câncer de pele. Este, aliás, é o tipo de câncer com maior incidência no Brasil: o Instituto Nacional do Câncer (Inca) prevê quase 120 mil diagnósticos para 2010. Mas sua prevenção é possível, e ainda mais eficaz se realizada desde a infância.
Segundo Berenice Capra, dermatologista e coordenadora regional da 11ª Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer de Pele no Rio Grande do Sul, os efeitos do sol vão sendo acumulados ao longo da vida de uma pessoa. “É muito importante que a prevenção se inicie ainda na infância, para, assim, diminuir a chance do desenvolvimento da doença na vida adulta, já que, na infância e adolescência, tomamos cerca de 85% da radiação solar a que estaremos expostos ao longo da vida”, explica.
Não só com a chegada do verão, mas no dia a dia, alguns cuidados são essenciais. É preciso evitar a exposição ao sol das 10h às 16h (das 11h às 17h no horário de verão) e utilizar sempre filtros solares com Fator de Proteção Solar (FPS) 15 ou maior. Usar chapéus, guarda-sol e óculos escuros também são cuidados básicos recomendados pelo Inca. E cuidado com o mormaço, que queima a pele mesmo sem que você perceba.
Para quem não recebeu os cuidados ideais desde a infância, “vale a pena começar imediatamente”, recomenda Berenice. “O câncer de pele também mata quando seu diagnóstico é tardio. É necessário que se adote como hábito diário os métodos simples de prevenção e, em alguns casos, procurar um dermatologista”, finaliza.

fonte: http://gazetaweb.globo.com/v2/noticias/texto_completo.php?c=193543