Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Romanos 8:28

sábado, 26 de dezembro de 2009

Governo publica portaria com diretrizes para novas UPAs


O Ministério da Saúde publicou, em 13 de maio, a portaria nº 1.020, que estabelece diretrizes para a implantação das unidades de atendimento pré-hospitalar fixo: UPA (Unidades de Pronto-atendimento) e SE (Salas de Estabilização). Elas devem ter acolhimento e classificação de risco, garantindo atendimento ordenado de acordo com o grau de sofrimento ou a gravidade do caso.
Municípios com até 50 mil habitantes podem instalar uma SE, estrutura que deve funcionar como ponto de apoio ao Samu 192. A SE deve ter um médico generalista, treinado e habilitado para o atendimento das urgências, frequentemente, observadas em cada localidade. A unidade não deve dispor de mais de cinco leitos.
Já em municípios maiores, a estrutura escolhida deve ser a UPA, também funcionando de forma articulada com o Samu 192. A UPA deve solicitar retaguarda técnica ao Samu sempre que a gravidade ou complexidade dos casos ultrapassarem a sua capacidade.
A implantação da UPA foi dividida em três estruturas: Porte I (para uma população de 50 mil a 100 mil pessoas), Porte II (até 200 mil) e Porte III (até 300 mil). Sua instalação deverá obedecer aos critérios estabelecidos para cada porte, variando, assim, o número de atendimentos (de 50 a 450 por dia), de médicos (de dois a seis profissionais) e de leitos (de cinco a 20).
O Ministério da Saúde incentivará a implantação de UPA e SE, em valores que vão de R$ 77.500 a R$ 2,6 milhões, assim como o seu custeio mensal, com repasses de R$ 35 mil a R$ 250 mil. A verba irá variar conforme o porte da unidade. Os critérios para a instalação também estão estabelecidos na portaria.



Fonte: Revista Emergência, Edição 15 - 11/12/2009
http://www.revistaemergencia.com.br/novo/template/noticias.asp?setor=2&codNoticia=5906