Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Romanos 8:28

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

USO DO ÁLCOOL EM GEL DEVE SER MODERADO, RECOMENDA DERMATOLOGISTA


Em entrevista à Web Rádio Saúde, do Ministério da Saúde, o dermatologista Paulo Ricardo Criado, da Sociedade Brasileira de Dermatologia, alertou alguns cuidados que se deve ter com o uso do álcool em gel.

O produto tem sido um grande aliado à prevenção da Influenza A (H1N1), que, entre outras precauções, requer atenção especial à higiene, mantendo as mãos sempre limpas e evitando o compartilhamento de copos, pratos e objetos de uso pessoal.

De acordo com o especialista, quando aplicado sobre a pele, o álcool gel tem uma capacidade irritante que é natural de todos os álcoois. “Quando aplicamos essa substância, nós estamos não só degradando as proteínas dos micróbios como também uma pequena monta sobre as proteínas da pele. Além disso, o álcool tem a propriedade desengorduraste e nós temos um manto de gordura natural sobre a pele. A gente favorece o ressecamento da pele", alerta.

Portanto, é necessário evitar o exagero no uso da substância, que não deve exceder mais do que dez ou doze vezes ao dia. “E a quantidade a ser aplicada para que não seja uma quantidade exagerada, seria uma quantidade similar ao tamanho de uma ervilha na palma de uma das mãos que poderia ser o suficiente para aplicar em ambas as mãos”, recomenda Paulo Ricardo Criado.

O dermatologista lembra ainda que, para ser eficaz na limpeza das mãos, o álcool em gel deve ter concentração de 70% de álcool. Os produtos indicados para a limpeza doméstica não devem ser aplicados na mão. Para evitar o ressecamento da pele, depois do álcool evaporar, basta passar um creme hidratante. É bom lembrar que o álcool em gel deve ser usado apenas quando não for possível limpar as mãos com água e sabão.
fonte: http://www.portalcofen.gov.br/2007/materias.asp?ArticleID=9867§ionID=38