"Orem também para que Deus nos livre das pessoas más e perversas, pois nem todos creem na mensagem. Mas o Senhor Jesus é fiel. Ele lhe dará forças e os livrará do maligno." 2 Tessalonicenses 3 2-3

sábado, 26 de setembro de 2009

Tratamento Pré-hospitalar do Traumatismo Abdominal


No trauma abdominal, a hemorragia constitui prioridade de tratamento, por ser cau-
sa de morte nas primeiras horas. Nenhum tratamento instituído na fase pré-hospitalar do atendimento vai conter a hemorragia de órgãos e estruturas abdominais. Em algumas vítimas, essa hemorragia é mais lenta e dá certa estabilidade inicial, mas, se não controlada, agrava as condições da vítima. Devemos nos preocupar em transportá-la o mais rapidamente possível ao hospital de referência, sem demora com medidas muitas vezes ineficazes, como acesso venoso e infusão de soro. O soro infundido na vítima sem prévio controle da hemorragia muitas vezes aumenta a perda de sangue. As medidas de acesso venoso e infusão de soro não devem retardar o encaminhamento da vítima, mas são úteis em casos de transporte a longa distância, que ultrapassem 10 minutos, e quando não retardem o atendimento definitivo.
Medidas a serem tomadas pelos socorristas para minimizar os danos do estado
de choque em decorrência do trauma abdominal:
● Desobstruir as vias aéreas permitindo boa ventilação.
● Ministrar oxigênio a 12 ou 15 litros por minuto.
● Elevar os membros inferiores (posição de choque).
● Aquecer a vítima evitando a hipotermia, que agrava o estado de choque.
● Controlar hemorragias externas de ferimentos ou imobilizar fraturas de
ossos longos, como fêmur e úmero, da maneira mais rápida possível, sem
retardar o transporte, para minimizar perdas adicionais de sangue.
● A calça antichoque, se disponível e com autorização do médico regulador e
supervisão do médico de intervencionista, pode, em algumas situações,
minimizar o estado de choque.

Em caso de evisceração (saída de vísceras por ferimentos abdominais), limpa
essas vísceras de detritos grosseiros com soro fisiológico e cobri-Ias com plástico esterili
zado próprio para esse fim ou com compressas úmidas a fim de isolá-las do meio ambien
te. Em hipótese alguma, tentar reintroduzir as vísceras no abdômen, porque o sangra
mento se agrava ou propicia o extravasamento de fezes.
Em casos de objetos que penetrem no abdômen, como pedaços de ferro, madeira
ou outros, nunca retirá-los. Corte-os, se necessário, e proteja-os para que não se movam
durante o transporte. Esses corpos estranhos só podem ser retirados em centro cirúrgico,
onde haja condições de controlar o sangramento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário