Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Romanos 8:28

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Sirenes no trânsito: especialistas ensinam como agir nas ruas de SP


Dicas são sobre como dar passagem a ambulâncias e carros de polícia.
Encostar à direita e usar as setas são ações recomendadas.

Quem nunca teve de abrir passagem no trânsito para uma ambulância do SAMU 192, carro de polícia e bombeiro? O movimento parece simples, mas requer muito cuidado para não causar acidentes, atrapalhando mais ainda quem tem pressa em passar. E, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, esses veículos têm prioridade de passagem. Especialistas ouvidos contam de que forma o cidadão que mora em São Paulo pode contribuir de forma segura para isso.
A primeira regra é manter a calma ao ouvir uma sirene vindo lá de trás. “O motorista deve evitar frenagens bruscas, que podem provocar acidentes. Precisa prestar atenção na sinalização que a viatura dá, saber por onde ela quer passar”.
“Quando o motorista se deparar com uma situação de emergência, deve deixar a passagem livre para o veículo pela esquerda, encostando à direita. Se for necessário, pare o carro, mas sempre sinalizando as suas intenções”. Ele pede também que o condutor “não jogue o carro” bruscamente e use as setas.


Distração

Estar atento ao trânsito é uma premissa a ser seguida. “O motorista desatento dificulta a passagem”. Por isso, em alguns casos, faz-se mais do que necessário o uso da sirene, do farol alto e até da buzina para avisar sobre a necessidade da passagem rápida pela via. E um aviso: “não ligar o pisca-alerta [se o trânsito estiver fluindo]. Ele indica que aquele veículo está parado e isso pode causar outro acidente”.

Para o coordenador do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), “o importante é não expor os outros ao risco”. Ele defende que os motoristas, mesmo querendo ajudar, não infrinjam as regras do trânsito, como "furar" o sinal vermelho.

“Pode causar um acidente gravíssimo. Na medida do possível, vai se colocando à direita para deixar que a ambulância passe". E são muitas na cidade; a todo o momento. De acordo com ele, o Samu recebe por dia 5 mil chamadas, que geram 1.200 atendimentos de emergência.
Há um ano dirigindo em São Paulo, a estudante de jornalismo Roberta Azevedo Figueira, de 21 anos, conta que já precisou deixar uma ambulância passar. "Acho que o ideal é ir ao máximo à esquerda ou à direita para a ambulância formar um terceiro corredor".
Ela admite que ainda fica "um pouco nervosa" ao ouvir a sirene, mas jura que nunca cometeu uma infração, como subir na calçada ou passar o sinal vermelho. E se o carro da frente não percebeu que tem de abrir espaço? "Aí eu pisco um farol alto para ele".


Infrações

Aos condutores que se acham espertos e seguem ambulâncias do SAMU 192, carros de polícia ou dos bombeiros para avançar alguns metros, um aviso: o Código Brasileiro de Trânsito prevê multa para esse tipo de irregularidade. “É uma infração grave. O motorista leva cinco pontos na carteira de habilitação e tem de pagar multa de R$127,69”. Deixar de dar passagem aos carros de salvamento também vai contra as regras do trânsito e as penalidades podem custar caro. “A infração é gravíssima, com perda de sete pontos na carteira. E a multa é de R$191,53”.

Ele defende que o Código de Trânsito seja respeitado, mas admite as exceções. “Se o carro que vier atrás for grande, como o dos bombeiros, e não tiver espaço, o motorista pode dar uma subidinha na calçada”. “Existe uma infração, mas há um fato maior”. No caso, seria dar prioridade de passagem à polícia ou ao resgate.

O coordenador do Samu faz uma ressalva. Para ele, é preciso ter cuidado ao optar por subir na calçada e deixar a via livre. “Imagine se naquele canteiro há um pedestre? Pode causar um acidente”. Em uma cidade com tráfego frenético como São Paulo, não importa o tamanho da pressa. O bom comportamento na rua exige prudência e calma.