Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Romanos 8:28

sábado, 15 de agosto de 2009

ANEURISMA CEREBRAL



Um aneurisma cerebral é uma doença na qual um vaso sanguíneo encontra-se anormalmente dilatado no cérebro. A dilatação é causada por uma fraqueza da parede de uma artéria ou veia do cérebro.
O aneurisma cerebral é considerado perigoso pois, ao romper-se dentro da calota craniana, estrutura inelástica por natureza, produz um aumento da pressão intracraniana, o que faz com que as estruturas do cérebro responsáveis pela respiração sejam comprimidas, ocasionando a morte por parada respiratória.
O aneurisma cerebral pode ser congênito ou adquirido.
Causas
Os aneurismas podem resultar de defeitos congênitos, condições pré-existentes como pressão sanguínea alta e aterosclerose (o desenvolvimento de depósitos gordurosos nas artérias) ou trauma físico na cabeça. Os aneurismas cerebrais ocorrem mais comumente em adultos do que em crianças, mas podem ocorrer em qualquer idade. São um pouco mais comum em mulheres do que em homens.
Localizações
Uma localização comum dos aneurismas cerebrais é nas artérias da base do cérebro, conhecidas como Polígono de Willis. Aproximadamente 85% dos aneurismas cerebrais se desenvolvem na porção anterior do círculo de Willis, envolvendo as artérias carótidas internas e seus ramos maiores que vascularizam as porções anterior e média do cérebro. Os locais mais comuns incluem a artéria comunicante anterior (30-35%), a bifurcação da carótida interna e artéria comunicante posterior (30-35%), a bifurcação da artéria cerebral média (20%), a bifurcação da artéria basilar e as outras artérias que fazem a circulação posterior (5%).
Sintomas
Um pequeno aneurisma, em fase inicial não produz sintomas. Ao aumentar, o indivíduo pode ter sintomas como dor de cabeça, sensibilidade a luz, náusea, vômito e perda de consciência.
A ruptura do aneurisma é perigosa e geralmente causa sangramento dentro do cérebro podendo causar morte. Está situação é um dos tipos de derrame cerebral.
A morte pode ocorrer se houver o comprometimento de áreas vitais como as de controle da respiração ou da pressão arterial.
Tratamento de urgência
O tratamento deve ser rápido e é cirúrgico, sendo complicada devido às dificuldades no acesso ao local sem lesar mais o cérebro, e como manter íntegra a circulação sanguínea da parte antes irrigada por esta artéria. Dependendo do local deste aneurisma no cérebro, a cirurgia pode ser mais ou menos arriscada. É tratada pelo neurocirurgião.
Existem duas formas básicas de tratamento: por microcirurgia e por via endovascular.
Quando o aneurisma é descoberto, antes de ocorrer rupturas, uma cirurgia chamada microcoil thrombosis pode ser realizada .
O processo do balão de embolização só é recomendado em pacientes em que cirurgia pode ser muito arriscada.
[editar] Escala
Durante um quadro de ruptura de aneurisma, os sintomas permitem alguma previsibilidade de evolução.
1º Grau: Dor de cabeça leve e leve sensibilidade à luz. Chance de Sobrevivência 80%
2º Grau: Forte dor de cabeça, forte sensibilidade a luz, pequena preguiça. Chance de Sobrevivência 60%
3º Grau: Forte dor de cabeça, forte sensibilidade à luz, preguiça forte. Chance de Sobrevivência 50%
4º Grau: Começo de estado vegetal. Chance de Sobrevivência 20%
5º Grau: Coma Profundo, moribundo. Chance de Sobrevivência 10%
[editar] Tratamento Microcirúrgico
É realizada uma craniotomia e, no aneurisma são colocados clipes para aneurisma cerebral, que proporcionam a oclusão do mesmo a fim de evitar que o aneurisma rompa ou que surja um resangramento.
São clipes fabricados em titânio e cobalto que servem para ocluir aneurismas cerebrais.
Para a abertura e colocação dos mesmos são necessários aplicadores/pinças. Os clipes permanentes permanecem toda a vida implantados no paciente, enquanto os temporários (transitórios) visam apenas auxiliar o procedimento cirúrgico, devendo ser retirados após alguns minutos.
Existem diversos modelos e tamanhos, todos em acordo com posicionamento e localização do aneurisma no paciente.
Os clipes de titânio apresentam uma maior compatibilidade magnética, até 11 Teslas; enquanto os de cobalto podem ser submetidos com segurança a exames em até 2 Teslas. Os clipes de titânio propiciam ainda um melhor estudo de imagem, devido a baixa presença de ferro em sua composição.
É vedada a reutilização dos mesmos, visto sofrerem perda da força de fechamento após a primeira abertura, preceito este encontrado na Norma ISO 9713:2002.
Outro fator importante é que cada modelo de clipe deve ser utilizado com o aplicador
Tratamento Intra-arterial
É colocada uma mola de platina numa artéria da virilha; levada até o cérebro, essa mola se encaixa na bolha e impede o fluxo de sangue naquela região. Mais moderna e menos agressiva, essa técnica é usada em cerca de 40% das cirurgias atualmente. Na França o número de pacientes tratados por este método chega à 90% da população. Ainda assim, o método tradicional nunca será abandonado, pois o médico deve sempre avaliar qual o melhor tratamento dependendo da situação do paciente e localização do aneurisma.
Fatores de risco
Hipertensão arterial - elevação da pressão arterial
Dislipidemias - alteração do colesterol e triglicerídeos do sangue
Doenças do colágeno - inflamações envolvendo tecido conjuntivo